6 razões pelas quais Lula no ministério faz todo o sentido. Por Paulo Nogueira

Tudo a ganhar, nada a perder

    1) O governo Dilma sai da defesa.

    Desde o primeiro dia de seu segundo mandato, Dilma vive sob ataques incessantes da tríade sinistra mídia-oposição-justiça.

    O objetivo é derrubá-la. Um fato novo e relevante como ter Lula em sua equipe mostra que Dilma está disposta a lutar pelo seu mandato em vez de esperar que a espremam até a última gota.

    2) Lula leva ao governo uma capacidade de articulação política que Dilma e seus comandados jamais tiveram.

    O que falta a Dilma em capacidade – e paciência – de fazer política sobra em Lula. Se há alguém capaz de devolver a capacidade de governança do governo, por meio de articulações políticas, é Lula.

    3) Toda a mídia está criticando.

    Brizola dizia que era fácil tomar uma decisão a respeito de coisas da política no Brasil. Se a Globo é a favor, dizia ele, você deve ser contra. Neste caso, não é apenas a Globo – mas todas as empresas jornalísticas. Convém para elas que Lula continue acuado, à mercê das arbitrariedades de Moro, dos promotores de São Paulo e de juízes em geral.

    4) É um sinal de que Lula enfim percebeu que não dá para jogar como cavalheiro contra adversários inescrupulosos e desleais.

    Desde que chegou ao poder Lula agiu com um republicanismo que seus oponentes jamais tiveram. FHC nomeou juízes partidários como Gilmar Mendes para o STF e um procurador-geral que engavetou qualquer processo que embaraçasse seu governo. Manteve a Polícia Federal sob controle.

    Lula quis inovar, e acabou se dando mal. Em nome do republicanismo, manteve até as verbas de publicidade  multimilionárias para empresas de mídia interessadas em destruí-lo. Para ver a conduta dos adversários, basta analisar a atitude de políticos como Aécio e Alckmin: dinheiro, só para amigos.

    5) Lula escapa da perseguição de Moro.

    O juiz Sérgio Moro já deixou claro que o real objetivo da Lava Jato, longe de ser erradicar a corrupção, é prender Lula e massacrar o PT.

    Moro, em sua soberba enceguecedora, sequer se dá conta do ridículo que é dizer que não tem motivações partidárias num evento promovido pelo líder tucano João Dória.

    6) Lula demonstra não ter perdido a capacidade de arriscar.

    Pode dar errado? Pode. Toda manobra ousada por dar errado. Mas pior que tudo, a esta altura, é ficar parado. Como diz o célebre adágio, antes morrer de pé do que de joelhos.