A homenagem de Requião a Aécio, citando Tancredo, fica para a história

“Canalha! Canalha! Canalha!”