A luta de uma escritora da Islândia para que não haja mais tragédias como a do bebê sírio

“Os refugiados são nossos futuros maridos e mulheres”