A infame mudança de opinião do PSDB sobre o caixa 2 de Temer na campanha. Por Paulo Nogueira

Caras de pau
Caras de pau

Indecente.

A atitude do PSDB na questão da eventual cassação pelo TSE da chama Dilma e Temer é simplesmente abjeta.

Lembremos.

Em sua louca cavalgada golpista, o PSDB reivindicou depois da derrota nas urnas que a chapa vitoriosa fosse cassada.

Era um dos primeiros capítulos do golpe. O PSDB acusava os vencedores de terem usado caixa 2 na campanha.

Eram dias em que os tucanos, completamente protegidos pela mídia, ainda posavam de puros.

Verificou-se depois que o PSDB utilizara também — quem não? — caixa 2 em escala industrial.

Com sua insuperável lentidão, o TSE só conseguiu agora marcar o julgamento do caso.

Mas as circunstâncias mudaram: Dilma foi derrubada pelo golpe. E Temer, com a contribuição milionária do PSDB, rasteja na presidência.

O que não mudou foi a vigarice tucana. Agora, o PSDB diz que Temer não fez nada errado. Só Dilma.

Pausa para gargalhadas.

O que o PSDB quer é manter Temer até 2018. Se ele sair, aumentam consideravelmente as chances de diretas ainda em 2017, e não existe entre os tucanos um único candidato realmente forte.

Dória ainda é o triunfo da esperança. Melhor: ele é por enquanto um problema, não uma solução. Para que ele emplaque como candidato Alckmin, seu tutor e inventor, vai ter que ser escanteado.

O descaro do PSDB em inocentar Temer, sob o silêncio da imprensa, é uma prova mais de que as instituições estão falidas.

Se não estivessem, o PSDB não ousaria fazer o que está fazendo.

É insuportável a ideia de Temer até o final de 2018. O povo não quer, como mostram as pesquisas. Ele não pegou. E nem vai pegar. É incompetente. Desleal. Não tem carisma. Tem medo de fantasma.

Mantê-lo na presidência é um crime de lesa pátria.

Apenas alguém consagrado pelas urnas pode colocar em ordem um país que perdeu o pé, o rumo, o sentido — e o pudor, como demonstra a mudança de opinião do PSDB diante do caixa 2 de Temer na campanha.