A importância simbólica da imagem de Haddad na classe econômica. Por Paulo Nogueira

Clap, clap, clap
Clap, clap, clap

É uma maravilha, do ponto de vista da simbologia, o prefeito Haddad viajar de classe econômica.

Um homem público não é apenas o que ele fala e faz: é também o que transmite.

O Brasil é indigente no capítulo da frugalidade simbólica na política.

E o mundo tem exemplos formidáveis. Cito dois deles, Francisco e Mujica.

Francisco andava de táxi por Buenos Aires quando cardeal, e foi para o conclave do qual sairia papa de classe econômica.

Mujica é seu Fusquinha azul.

Mesmo políticos conservadores estão agindo de acordo com os tempos agudos de crise mundial. Dias atrás, o premiê inglês David Cameron foi flagrado na classe econômica de um voo a caminho de Portugal, a serviço.

Compare esse tipo de coisa ao que vigora no Brasil.

Aécio fez 124 viagens para o Rio no avião de Minas nos dias de governador para fazer jus a sua fama de garoto do Leblon.

Joaquim Barbosa, quando presidente do STF, pegou o jato da FAB, encheu de jornalistas amigos e foi fazer uma palestra de majestosa insignificância na Costa Rica.

Você poderia e deveria esperar que, com o PT no poder, os governantes dariam um exemplo de simplicidade.

Não foi, no entanto, o que ocorreu. Mercadante, segundo um levantamento divulgado por Boechat, é um dos maiores usuários de voos ao estilo tristemente consagrado por Aécio.

Nem Lula e nem Dilma foram eficientes neste quesito, e é uma pena. Sobretudo Lula, faz tempo que é muito mais comum vê-lo se deslocando em jatos e helicópteros de amigos plutocratas do que como um mortal comum num avião.

Esse tipo de comportamento alimenta a descrença da sociedade na política, o que é péssimo para o país.

Na Escandinávia, chefes de governo e ministros costumeiramente vão trabalhar de bicicleta.

A jornalista e escritora Claudia Wallin contou, em seu livro Um País sem Excelências nem Mordomias, o caso de uma líder política sueca que se encrencou por usar táxi em vez de trem em seus descolacamentos.

O Brasil precisa de uma mudança de mentalidade.

Ver Haddad na classe econômica é um passo para isso. Pequeno, tímido, é verdade.

Mas, como diz a sabedoria oriental, toda caminhada começa no primeiro passo.

Haddad deu este passo.