A lista da Odebretch é uma ofensa pessoal a Moro. Por Carlos Fernandes

image

Os ventos do impeachment começam a mudar mais uma vez. Se há dois diaso ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, desautorizou publicamente o juiz Sérgio Moro ao retirar Lula do alcance de sua indecente perseguição política, ontem revelou-se mais um percalço na trajetória messiânica do cavaleiro cruzado de toga.

Uma lista contendo um plantel de mais de 200 políticos de cerca de 20 partidos diferentes das mais variadas vertentes ideológicas — e sem Dilma ou Lula — é uma descoberta que não só atrapalha frontalmente os seus objetivos quanto desconstrói terrivelmente todos os argumentos medíocres, oportunistas, hipócritas e farsantes que durante todo esse tempo cercaram a Operação Lava Jato.

Rasgado o véu não só dos políticos puritanos mas da própria política, somente com muita ignorância ou má-fé para acreditar que o problema da corrupção no Brasil diz respeito a uma única sigla partidária. Está mais do que claro que não é retirando o PT do governo sob tortura escancarada da democracia que iremos “ter de volta o país que queremos”. Expressão essa aliás das mais idiotas.

Não são simplesmente os políticos ou mesmo os seus partidos que emporcalham a seara política deste país. É fundamentalmente o sistema político, a estrutura subterrânea que sustenta todo o lamaçal. É isso principalmente o que revela a lista da Odebrecth, mas não é isso o que a Globo, Moro e seus lacaios gostariam que fosse revelado.

Essa lista só seria realmente valiosa para eles se Lula e Dilma estivessem ali. Como simplesmente não estão, a lista não passa de uma ofensa pessoal ao juiz Sérgio Moro.