As bombas no Rio de Janeiro encerram a farsa desta democracia e do jornalismo da Globo. Por Leo Mendes

E agora, ainda é exagero dizer que esta democracia é uma farsa?

Está registrado, eram trabalhadores, num protesto pacífico na Cinelândia, no Rio de Janeiro, pedindo, quase implorando para que a polícia não jogasse bombas, e poucos minutos depois foram varridos dali com uma enxurrada de bombas…

Há inclusive imagens de psicopatas de farda atirando bombas em senhoras sozinhas, agachadas numa escada, depois da multidão já ter dispersado.

A GloboNews transmitiu ao vivo o momento, e logo depois parou com a transmissão para falar sobre a necessidade da reforma da previdência ser aprovada e sobre os voos cancelados no aeroporto de Brasília.

Antes de serem interrompidos pelas circunstâncias, o repórter e a apresentadora diziam que havia duas manifestações distintas no centro do Rio de Janeiro: uma pacífica, no local em que estava o palco na Cinelândia, e outra de vândalos baderneiros, que incendiavam ônibus na Lapa e faziam barricadas contra a ação da PM.

Mas eis que ao vivo a GloboNews foi surpreendida com a polícia lançado bombas sobre a manifestação que a própria Globo afirmava pacífica. Bombas jogadas até mesmo no palco em que lideranças sindicais discursavam.

Como sustentar agora o mantra de que foram os vândalos que provocaram a PM?

Melhor cortar a transmissão e falar sobre a necessidade da reforma da previdência.

Mas depois os apresentadores dão chiliques quando aparece alguém atrás do repórter ao vivo chamando a Globo de golpista ou sonegadora.

Dizem que é um ataque ao trabalho dos jornalistas.

Mas será que meus nobres colegas jornalistas que trabalham nessa emissora não tem nenhuma vergonha na cara de se prestar a esse serviço sujo e ainda dizer que são jornalistas?

Será que não sentem vergonha quando o Jornal Nacional apresenta suas “reportagens” no formato de propaganda político-partidária?

Será que não fica evidente mesmo pro telespectador “Homer Simpson” que o que a Globo faz não é jornalismo?

Mas, de fato, foi um grande furo de reportagem o flagra das bombas ao vivo sobre o palco de uma manifestação pacífica. Não me lembro de já ter visto algo semelhante.

Um furo aterrorizante, revoltante, constrangedor, solenemente ignorado pela Globo e seus capangas “jornalistas”.