As cartas de amor entre os deputados J. Bolsonete e M. Felicidade

Os deputados
Os deputados

 

J. Bolsonete e M. Felicidade são deputados num país distante. Uma admiração mútua acabou evoluindo para algo mais intenso. Temendo uma reação extremada de homofobia, Bolsonete e Felicidade estão desaparecidos desde o dia 24 de outubro.

Recentemente, foi descoberta uma troca de correspondência entre eles. O DCM publica alguns trechos com exclusividade.

 

Mais querido dos meninos,

Sua carta foi deliciosa como vinho tinto e branco para mim; mas estou triste e não me sinto bem. J., não deves fazer cenas. Elas acabam comigo, destroem a beleza da vida. Não suporto ver-te, tão grego e elegante, desfigurado pela emoção diante de M. da Roseira. Não consigo ouvir teus lábios sinuosos dizerem coisas horrendas. 

Preferia ser chantageado por todos os arrendatários da cidade a ver-te amargo, injusto, cheio de ódio. Preciso ver-te logo. Devo ir à capital? Minha despesa aqui é de 4900 reais por semana. Também tenho uma nova sala de estar com vista para o Tietê. Por que não estás aqui, meu querido, meu menino maravilhoso? 

Teu M. 

 

Meu Garoto,

Suas palavras são encantadoras e é maravilhoso que os seus lábios da cor de pétalas de rosas vermelhas foram feitos não menos para a loucura que é a musica e o canto quanto para a loucura de beijar.

A sua leve alma dourada caminha entre a paixão e a poesia. Eu sei que Jacinto, a quem Apolo amava loucamente, foi você nos dias gregos.

Quando vem para a capital? M. da Roseira pode me ferir, mas jamais vai me derrubar. Tenho amigos que me emprestam um ombro e, se necessário, mais do que isso. Lombroso — lembra-se dele, o cantor de voz doce que numa noite de loucura encontramos numa churrascaria? — me faz visitas frequentes.

Venha para cá esquentar suas mãos na penumbra cinzenta das coisas góticas. Corro o risco de ser preso, mas desde que nos conhecemos não temo mais nada. Diria mesmo que a morte não me importa se eu estiver a seu lado!

Sempre, com amor eterno

J.

 

Meu querido menino,

Obrigado por sua carta. Estou impressionado com a força de nossos inimigos, mas feliz em saber que podemos superar juntos a sombra da tristeza para vencermos, afinal.

Você viu o que aquele apresentador Jão Tavares falou sobre você? Ás vezes me pergunto como um homem com tamanha cultura, com uma equipe de produção das mais competentes, antenados em tudo que ocorre no mundo, às vezes forma juízo de valor sobre pessoas e as expõe ao seu grande público. 

Fui citado várias vezes durante minha gestão como presidente da Comissão de XX XX [ilegível no original]. Tavares afirmou que eu não deveria estar ali. Preconceito? Será por que sou evangélico? Será por que não sou de movimentos considerados ‘cult’ e nem carrego a bandeira vermelha?

Eu penso em você diariamente, e serei sempre devotadamente teu. Quanta à prisão: não te assustes. Mesmo que seja este o seu destino, saiba que jamais, em tempo algum, estarás sozinho. 

M.

 

Meu amado,

Estas mal traçadas são para reassegurar meu amor imortal, eterno por você. Se a prisão e a desonra são meu destino, penso no nosso amor e essa ideia, essa crença mais do que divina de que você me amará em retorno vai me sustentar na infelicidade e me tornar capaz, espero, de suportar minha dor com mais paciência.

Às vezes penso em M. do R. e em tudo o que aconteceu. Eu deveria ter feito o que fiz? Deveria ter deixado aquela desqualificada falando sozinha?

Não! Não seria eu mesmo. Se o preço a pagar for a desonra, que seja! Amanhã serei transferido para a penitenciária de Vupabussú. Poderia me desesperar — ou mesmo cometer alguma loucura — se não soubesse que estarás ao meu lado.

Saudade imortal,

J.

 

Meu anjo,

Espero que os cigarros tenham chegado em bom estado. Almocei com o filósofo Oswaldo. Eles querem que eu vá para Paris com eles na quinta-feira, mas tenho compromissos na congregação. Além disso, eu quero ver você. É realmente um absurdo. Eu não posso viver sem você. Você é tão querido, tão maravilhoso. Eu penso em você o dia inteiro e perder sua graça, sua beleza juvenil, sua sagacidade, seu cabelo alisado, me enche de medo. 

A única coisa que me consola é o que Rachel S. disse para mim. Ou melhor, o que Oswaldo, que além de filósofo é astrólogo, falou para ela. Que ainda vamos embarcar juntos numa longa viagem, e que sua vida estará sempre de mãos dadas com a minha. 

Tenha certeza de que nosso plano de fuga será um sucesso. A capital é um deserto sem seus pés delicados.

M.

 

Meu amo e senhor,

Recebi seu recado através de S. A minha única esperança de sobreviver é estar com você. Não era assim nos velhos tempos, mas agora é diferente, e você pode realmente recriar em mim essa energia e sensação de estar feliz. Todo mundo está furioso comigo por voltar com você, mas eles não nos entendem. Eu sinto que com você que eu posso fazer qualquer coisa.

Refaria minha vida arruinada e então nossa amizade e amor terá um significado diferente para o mundo. Eu desejo que quando nos encontremos em Paris não nos separemos nunca mais. Existem largos abismos de espaço e terra entre nós. Mas nós nos amamos. Boa noite, querido.

Sempre seu,

J.

 

* Inspirado na correspondência entre Oscar Wilde e Lorde Alfred Douglas.