Devolve o celular da Marisa, Moro! Por Paulo Nogueira

Moro não respeita o barbudo
Moro não respeita o barbudo

Pequenas coisas podem significar muito. Me chamou a atenção, algum tempo atrás, uma declaração de Lula numa entrevista sobre o depoimento coercitivo de que foi vítima.

“Levaram até o celular da Marisa, que ela usa pra fazer zapzap com as amigas”, disse Lula, rindo. (Foi antes do AVC que a mataria.)

Pensei na hora: “Putz, os caras da Lava Jato não devolvem o que tomaram depois de examinar?”

Passadas semanas, leio numa nota dos advogados de Lula que o celular de Marisa ainda não foi devolvido. E não só ele: a defesa de Lula pediu na nota a devolução dos pertences de Marisa. No plural.

Parece coisa à toa, mas não é. Mostra o desrespeito com que Lula e família são tratados pela Lava Jato.

Que valor não têm agora para os que a amavam, por exemplo, as fotos tiradas por Marisa e guardadas no aparelho?

Num recente depoimento da Lava Jato em que os advogados de Lula estavam presentes, Moro queixou-se de não estar sendo respeitado. “Respeite o juiz”, disse ele quando a defesa de Lula o comparou a um inquisidor.

Mas um momento. Cabe a Moro dar o exemplo de respeito antes de cobrá-lo. Uma única vez, ao colher um depoimento, ele foi genuinamente respeitoso. Foi quando — não por acaso — o ouvido era FHC.

Moro deveria também dar-se ao respeito. Ao cochichar com Aécio numa festa, para ficar num caso entre muitos, ele estava desrespeitando a si próprio como juiz. Não basta a um juiz ser imparcial. Ele tem que parecer imparcial.

Mas comecemos pelo mais simples: mande devolver as coisas de Marisa, Moro. De preferência, com um pedido de desculpa, ainda que insincero.