No berço da Lava Jato, parceria PF e MPF entra em curto-circuito

Postado em 13 de agosto de 2017 às 3:26 pm

 

Do Estadão:

A parceria entre Polícia Federal e Ministério Público Federal, na Operação Lava Jato, em Curitiba, entrou em curto-circuito. O esvaziamento da equipe policial, que iniciou as apurações do escândalo Petrobrás, e os desentendimentos sobre acordos de delação premiada afastaram os dois principais polos da força-tarefa, que reúne PF, MPF e Receita Federal. Em três anos e meio de atuação, são 201 prisões, 157 condenações e R$ 10 bilhões de corrupção a serem recuperados para os cofres públicos.

Nos últimos dias, algumas faíscas – ainda de baixa voltagem – tornaram aparente o curto nesse sistema conjunto de trabalho, até então harmonioso: as falas contraditórias do procurador Athayde Ribeiro Costa e do delegado Igor Romário de Paula, sobre cortes de verbas e de pessoal na PF em Curitiba, em entrevista à imprensa na última fase da Lava Jato (que prendeu o ex-presidente da Petrobrás e do Banco do Brasil Aldemir Bendine), a redução no ritmo de operações (42 até aqui) e os relatórios de delegados com críticas à falta de provas e de acesso às delações feitas pelo Ministério Público.

(…)

Apesar de ter multiplas origens, o principal fio desencapado que provocou essa crise entre MPF e PF é a falta de entendimento entre as duas corporações sobre quem tem competência para firmar acordos de delação premiada.

 

x