Papa recebe Macri com gestos frios num encontro de só 22 minutos

Postado em 27 de fevereiro de 2016 às 4:29 pm

Do el país:

Os dois argentinos mais importantes e poderosos, o papa Francisco e o presidente Mauricio Macri, enfim celebraram seu primeiro encontro no Vaticano. Macri viajou a Roma para aplainar uma relação com o Papa que parecia complexa já antes de sua chegada ao Governo. Mas os gestos indicam que as coisas saíram pior que o esperado. O encontro durou apenas 22 minutos, o rosto de Francisco era muito sério, frio. Segundo o presidente, o Papa confirmou que também não viajará à Argentina em 2016, mas garante que o fará “o mais breve possível”. Francisco está percorrendo o continente desde que é Papa – Brasil, Paraguai, Bolívia, México –, mas até agora evitou seu país.

Existem dois fatores que medem o índice de cordialidade dos encontros do papa Francisco com os mandatários estrangeiros. Um é seu rosto durante o tradicional intercâmbio de presentes. O outro, a duração do encontro privado. E, nesta ocasião, os dois fatores falam de um encontro frio, especialmente em se tratando de um Papa argentino e o presidente de seu país. Comparem-se o rosto e as brincadeiras de Jorge Mario Bergoglio com Barack Obama, Raúl Castro ou mesmo na última audiência com o rei Juan Carlos, e sua atitude diante de Mauricio Macri. Um rosto sério, comedido, sem nenhum indício de cumplicidade ou as brincadeiras que já fazem parte da estratégia do primeiro Papa latino-americano para propiciar o diálogo até com quem – do ponto de vista religioso, cultural ou político – está mais distante de suas convicções.

Os argentinos veem, há três anos, uma cara de Jorge Bergoglio que não conheciam. Um Francisco risonho, entusiasta, sempre sorridente, feliz. Quando era arcebispo de Buenos Aires, o Papa aparecia em público quase sempre mal-humorado, duro, em combate permanente para defender suas ideias. O comentário mais recorrente na Argentina assim que começaram a ser divulgadas imagens do encontro do Papa com Macri é que havia voltado aquela expressão dura, séria, distante. O presidente argentino insistiu que a reunião tinha sido “muito boa”, mas ele e seu principal assessor, o equatoriano Jaime Durán Barba, sabem melhor que ninguém que a política moderna é feita com imagens e a que ficará é esse gesto de Francisco.

(…)

Clique aqui e veja as 10 noticias que você precisa ler agora