O consultor tucano que reduziu a pó a “onda excepcional” da economia de Temer e Meirelles

Meirelles e Temer
Meirelles e Temer

POR MIGUEL ENRIQUEZ

 

A queda de 3,6% no PIB, em 2016, anunciada na terça feira,7, pelo IBGE, pode retratar um cenário que ficou no espelho retrovisor, como sustenta o ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

Mas para as empresas de consultoria, que passaram o ano passado inteiro garantindo que, com o afastamento da presidente Dilma Roussef, estaria aberto o caminho da retomada da economia, os números exibidos, implicaram num freio de arrumação em suas expectativas. Ou seja, ainda que tardiamente descobriram  que cautela e calado de galinha não fazem mal a ninguém, como se diz no popular

É o caso da MB Associados, do consultor José Roberto Mendonça de Barros, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda no primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso.

Tucano de carteirinha e irmão do ex-ministro das Comunicações Luiz Carlos Mendonça de Barros, o Mendonção, José Roberto e seus associados se notabilizaram pelo otimismo diante das perspectivas abertas pela defenestração de Dilma e a consequente ascensão de Michel Temer no comando do governo.

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, nesta quarta feira,8, José Roberto, embora identifique alguns sinais de aquecimento em setores como o de petróleo, transmissão de energia, material de transporte e agricultura, afirmou com todas as letras que “a estrada da recuperação da economia será longa.”

Na mesma entrevista, o consultor prevê um crescimento de 1% da economia em 2017, ajudada pelo controle da inflação. Trata-se de uma baixada de bola e tanto no estado de ânimo da consultoria, que meses antes do impeachment previa um aumento de 2% no PIB neste ano, fato que surpreendeu até o então presidente interino ( era o dobro da média do mercado, segundo o Relatório Focus, do Banco Central) e quatro vezes acima da previsão de 0,5%  do FMI).

Para 2018, José Roberto Mendonça de Barros arrisca uma taxa de 2,6% de crescimento do PIB, puxado principalmente pela agricultura, que deverá desempenhar papel semelhante também neste ano.

Mas pondera:”só que isso precisa ser relativizado, sair do buraco não é voltar a crescer de forma sustentada.” Segundo ele, a consolidação de uma eventual melhora da economia vai depender de um avanço das reformas, especialmente a da Previdência.

Mesmo assim, ao contrário de Meirelles e do próprio Temer, que conseguiu identificar uma misteriosa “onda excepcional” na economia, o consultor não esconde sua insegurança em relação ao futuro do país. Ao seu ver, o fator incerteza pode ser considerado o maior obstáculo para a volta do crescimento, principalmente em decorrência da próxima sucessão presidencial.

“Olhando agora, não se consegue construir qualquer cenário que seja”, afirmou. “A torcida é para que o governo que virá leve minimamente a pauta reformista adiante. O que foi feito até agora é só o primeiro passo.”

José Roberto Mendonça de Barros
José Roberto Mendonça de Barros