Pesquisa mostra que escola é um inferno para maioria dos estudantes LGBT. Por Jean Wyllys

DO FACEBOOK DE JEAN WYLLYS

A Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional com Adolescentes e Jovens LGBT no Brasil (2016), que integra um projeto realizado em toda a América Latina, trouxe resultados alarmantes sobre as experiências de adolescentes e jovens LGBT no ambiente educacional. Os dados revelam, por exemplo, que 73% dos estudantes LGBT sofrem bullying, 60% se sentem inseguros no ambiente escolar e 37 apanham ou apanharam dentro das escolas.

É urgente que avancemos nas políticas públicas educacionais que venham promover um ambiente escolar pacífico e justo para todos os estudantes. Por isso, na próxima quarta, dia 18, atendendo aos requerimentos de minha autoria e do companheiro Chico Alencar (PSOL-RJ), as comissões de Relações Exteriores/Defesa Nacional e de Direitos Humanos e Minorias realizarão uma audiência pública para tratar sobre o tema.

Além de apresentar os resultados da pesquisa, também receberemos representantes de instituições que promoveram a pesquisa no Uruguai, na Argentina, no Chile, no Peru, na Colômbia e aqui no Brasil. Juntos vamos debater experiências que deram certo nas instituições educacionais desses países em relação ao respeito pela diversidade e traçar políticas públicas que possibilitem transformar as instituições educacionais em ambientes mais seguros e acolhedores para estudantes LGBT.

A audiência acontece dia 18/10, partir das 10h, no Plenário 03 do Anexo II da Câmara dos Deputados e tem como convidados: Daniel de Aquino Ximenes, diretor de políticas de educação em direitos humanos e cidadania – SECADI/MEC; Diego Poblete Mella, diretor-executivo da Fundación Todo Mejora; George Hale, diretor financeiro da Promsex; Lina Cuellar Wills, professora, historiadora e diretora da Sentiido; Roberto Perez Baeza, coordenador de gestão da Fundación Arcoiris; Sandra Elena Sposito, conselheira do Conselho Federal de Psicologia; e Toni Reis, diretor-executivo do Grupo Dignidade.