Por que nenhum ator negro brasileiro jamais fará boicote à Globo. Por Marcos Sacramento

milton gonçalves
Milton Gonçalves

 

Desde a estreia da primeira telenovela da TV Globo, em 1965, é possível contar nos dedos de uma só mão as produções com protagonistas negros. Na recente “I Love Paraisópolis”, ambientada em uma comunidade onde 70% dos moradores se declaram negros, só seis dos 52 atores do elenco tinham aquele fenótipo.

Bastam uns poucos minutos em frente à TV para perceber a distância entre o perfil predominante nas novelas, com a maioria dos personagens de pele clara, e o perfil étnico brasileiro, onde mais da metade da população se declara negra.

“Segundo o censo realizado pelo IBGE em 2010, 50,7% da população do País é preta ou parda. No entanto, em pleno ano de 2016, essa condição demográfica majoritária é praticamente invisível nas produções televisivas e nas peças publicitárias que circulam na TV e nos veículos da mídia impressa” escreveu a atriz Zezé Motta no Facebook, em um desabafo na época da morte do ator Antônio Pompeu.

De acordo com Zezé Motta, o ator de 62 anos, com quem contracenou no filme “Quilombo”, andava deprimido por falta de oportunidades de trabalho.

Esta discrepância, que pinta o Brasil como um país branco para quem o vê pelas telas das TV’s, oferece farta munição para que os atores negros promovam um protesto semelhante ao dos colegas norte-americanos, que pretendem boicotar o Oscar por causa da ausência negros entre os indicados ao Oscar de melhor ator e atriz.

A pergunta é quais deles teriam coragem de assumir tal postura. O primeiro entrave é a escassez de representantes negros na teledramaturgia e a consequente invisibilidade, como Zezé Motta citou. Um boicote promovido por invisíveis tem grandes chances de ser inócuo.

Outra coisa que inibe a promoção de um boicote é o risco do ator politizado perder oportunidades de trabalho e cair no temido ostracismo.

De certa forma, a escassez de negros na teledramaturgia seria ao mesmo tempo o motivo e o empecilho para uma manifestação parecida com a que Spike Lee, Jada Pinkett Smith e Will Smith estão puxando.

Para complicar ainda mais, quem poderia aproveitar a polêmica do Oscar para levantar o debate a respeito do racismo na teledramaturgia brasileira prefere jogar panos quentes na discussão.

Em vez de se espelhar em Spike Lee e companhia, prefere seguir a filosofia de Morgan Freeman, para quem a solução para acabar com o racismo é deixando de falar nele.

Foi o que o veterano ator Milton Gonçalves fez durante uma entrevista à Rádio Gaúcha, do grupo RBS. Para ele, a Academia não é racista e se nenhum negro foi indicado neste ano foi porque nenhum deles fez um bom filme.

Durante a entrevista descontraída de cerca de 23 minutos, os apresentadores fazem uma brincadeira com a forma com que o ator se refere à renda que tem, chamando de “dinheirinho”.

Ao falar do seu salário, Gonçalves deixa escapar que às vezes atua como uma espécie de embaixador da Rede Globo.

“Graças a Deus eu tenho um interesse salário da Globo, estou lá há 52 anos, não sou o melhor salário mas sou fundador da empresa. Às vezes, quando há necessidade de representar a empresa eu sou chamado para isso. E não é só no EUA, é Coréia, Japão, é Itália, Portugal, eu vou lá fazendo parte daquele grupo que representa a Rede Globo de Televisão”, explicou.

Como escreveu o argelino Albert Camus, no final “tudo se explica”.