Thomas Piketty e a ascensão de Bernie Sanders: os EUA entram em uma nova era política

Sanders
Sanders

Publicado no Guardian. POR THOMAS PIKETTY

 

Como podemos interpretar o incrível sucesso do candidato “socialista” Bernie Sanders nas primárias norte-americanas? O senador de Vermont está agora à frente de Hillary Clinton entre os eleitores democratas na faixa etária abaixo dos 50 anos e é apenas devido à geração mais velha que Hillary conseguiu ficar à frente nas pesquisas.

Por estar enfrentando a máquina dos Clinton, assim como o conservadorismo da grande mídia, Sanders pode não ganhar a corrida. Mas isso tem demonstrado que um outro Sanders – possivelmente mais jovem e menos branco – poderá em breve ganhar as eleições presidenciais dos EUA e mudar a cara do país. Em muitos aspectos, estamos testemunhando o fim do ciclo político-ideológico aberto pela vitória de Ronald Reagan nas eleições de 1980.

Vamos olhar para trás por um instante.

A partir dos anos 1930 até os anos 1970, os EUA estavam na vanguarda de um ambicioso conjunto de políticas destinadas a reduzir as desigualdades sociais. Em parte para evitar qualquer semelhança com a velha Europa, vista então como extremamente desigual e contrária ao espírito democrático norte-americano, durante e no pós guerra, o país criou um imposto sobre renda e propriedade altamente progressivo.

De 1930 a 1980 – durante meio século – a taxa para as maiores rendas dos Estados Unidos (mais de US $ 1 milhão por ano) foi em média de 82%, com picos de 91% de 1940 para 1960 (de Roosevelt a Kennedy), e manteve-se nos 70% durante a eleição de Reagan em 1980.

Essa política de modo algum afetou o forte crescimento da economia americana do pós-guerra, sem dúvida porque não faz muito sentido pagar US$ 10 milhões a super-executivos quando US$ 1 milhão pode resolver.

O imposto sobre propriedade, que foi igualmente progressivo com taxas aplicáveis às maiores fortunas na faixa de 70% a 80% durante décadas (as taxas quase nunca excederam 30% a 40% na Alemanha ou França), reduziu consideravelmente a concentração de capital entre os americanos, sem a destruição e as guerras que a Europa teve de enfrentar.

Um capitalismo mítico

Na década de 1930, muito antes dos países europeus, os EUA já haviam adotado um salário mínimo federal. No final dos anos 1960 era de US$ 10 por hora (em valores atuais), de longe o maior de seu tempo.

Tudo isso foi realizado quase sem desemprego, uma vez que tanto o nível de produtividade e do sistema de ensino acompanharam. Este é também o momento em que os EUA finalmente colocaram um fim à discriminação racial legal antidemocrática no sul e lançou novas políticas sociais.

Toda essa mudança provocou uma oposição robusta, particularmente entre as elites financeiras e a camada reacionária do eleitorado branco. Humilhada no Vietnã de 1970, a América estava ainda mais preocupada com a possibilidade dos perdedores da 2ª guerra mundial (Alemanha e Japão) se aproximarem em alta velocidade.

Os EUA também sofreram com a crise do petróleo, a inflação e sub-indexação das tabelas. Surfando nas ondas de todas essas frustrações, Reagan foi eleito em 1980 sobre um programa com o objetivo de restaurar um capitalismo mítico que dizia ter existido no passado.

O cume deste novo programa foi a reforma fiscal de 1986, encerrado em meio século de um sistema fiscal progressivo e baixou a taxa aplicável aos rendimentos mais elevados a 28%.

Democratas nunca contestaram esta escolha de Bill Clinton (1992-2000) e Obama (2008-2016), que estabilizou a taxa de tributação em torno de 40% (duas vezes menor do que o nível médio para o período 1930-1980). Isto provocou uma explosão de desigualdade juntamente com inacreditáveis altos salários, bem como uma estagnação das receitas para a maioria dos americanos – que foi acompanhada por um baixo crescimento (se em um nível ainda um pouco maior do que a Europa, isso se deve ao velho mundo estar atolado em outros problemas).

A agenda progressista

Reagan também decidiu congelar o nível do salário mínimo federal, que no período de 1980 foi lenta e notadamente corroído pela inflação (pouco mais de US$ 7 por hora em 2016, contra cerca de US$ 11 em 1969). Mais uma vez este novo regime político-ideológico pouco foi alterado nos anos Clinton e Obama.

O sucesso de Sanders hoje mostra que grande parte dos Estados Unidos está cansada da crescente desigualdade e das chamadas mudanças políticas, e pretende reviver tanto uma agenda progressiva como a tradição americana de igualitarismo. Hillary Clinton, que lutou à esquerda de Barack Obama em 2008 sobre temas como seguro de saúde, aparece hoje como uma defensora do status quo, apenas mais uma herdeira do regime político Reagan-Clinton-Obama.

Sanders deixa claro que quer restaurar a tributação progressiva e um salário mínimo mais elevado (US$ 15 por hora). Para isso, ele propõe planos de saúde e de ensino superior gratuitos num país onde a desigualdade no acesso à educação atingiu níveis sem precedentes, com destaque para um abismo permanente entre as vidas da maioria dos americanos e os discursos meritocráticos pronunciados pelas classes dominantes do sistema.

Enquanto isso, o Partido Republicano afunda em um discurso hiper-nacionalista, anti-imigrantes e anti-Islam (mesmo que o Islã não seja uma grande força religiosa no país) e uma glorificação ilimitada da fortuna acumulada por brancos ricos. Os juízes nomeados sob Reagan e Bush têm retirado qualquer limitação legal sobre a influência do dinheiro privado na política, o que dificulta muito a tarefa de candidatos como Sanders.

No entanto, novas formas de mobilização política e de crowdfunding podem prevalecer e empurrar os Estados Unidos para um novo ciclo político. Estamos longe de profecias sombrias sobre o fim da história.