Bolsonaro diz que servidores serão mandados para “ponta da praia”, local de execuções da ditadura

Publicado em 1 novembro, 2019 4:16 pm

Do Metro1

Bolsonaro na live da última quinta-feira (31).
Foto: Reprodução

O presidente da República, Jair Bolsonaro, fez uma referência à ditadura na noite de ontem (31), mesmo dia em que seu filho, Eduardo Bolsonaro, também ganhou atenção ao defender um “novo AI-5” em caso de radicalização da esquerda.

A declaração de Bolsonaro foi durante transmissão ao vivo no Facebook, quando ele também falou que “tudo bem”, “de vez em quando”, ficar  uma tartaruga na mancha de óleo que atinge o litoral nordestino.

Durante a live, ele citou que Luciano Hang da Havan reclamou que não conseguiu licença ambiental para construir uma loja em Rio Grande. Segundo o presidente, a liberação não foi concedida porque descobriram dois pratos que teriam sido feitos por indígenas no passado.

“Por consequência, vão entrar alguns órgãos do governo, eu não tenho ascendência, porque os diretores, o presidente tem mandato. Porque se não tivessem (mandato), eu cortava a cabeça mesmo. Quem quer atrapalhar o progresso, vá atrapalhar na Ponta da Praia, aqui não. Vão analisar agora se a terra de Luciano Hang vai ser demarcada por terra indígena”, afirmou Bolsonaro.

(…)