Professores processam Doria por censura de material didático com “ideologia de gênero”

Publicado em 10 setembro, 2019 3:24 pm

Do Blog do Sakamoto

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), durante entrevista (Foto: TV Globo/Reprodução)

Professores e pesquisadores vinculados a universidades públicas do Estado de São Paulo e ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia deSão Paulo ingressaram na Justiça com uma ação para anular o ato do governador paulista João Doria Jr, que mandou recolher cartilhas voltadas ao estudantes do 8º ano do ensino fundamental da rede estadual. Segundo a ação, houve censura do material didático pelo fato de Doria discordar da visão sobre identidade de gênero e diversidade sexual nele contido. Os proponentes pedem que o material seja devolvido aos alunos.

As cartilhas já haviam sido entregues e seriam utilizadas durante o 3º bimestre de 2019. Com isso, por conta de três páginas, estudantes ficaram sem as outras 141 com conteúdos de arte, ciências, educação física, geografia, história, inglês, matemática e português.

Os docentes e pesquisadores da Universidade Federal do ABC, Universidade Federal de São Paulo, Universidade Federal de São Carlos, Universidade de São Paulo e Universidade Estadual de Campinas que ajuizaram a ação contaram com o apoio do Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos (CADHu).

“O recolhimento das apostilas é ilegal, inconstitucional e um absurdo. Impõe censura ideológica e deixa mais de 330 mil estudantes sem material de oito disciplinas para o terceiro bimestre”, afirma Eloisa Machado de Almeida, professora da FGV Direito SP, coordenadora do núcleo de pesquisa Supremo em Pauta e membro do CADHu.

(…)