O empresário morto nos Jardins e a diferença entre capital legal e ilegal. Por Alceu Castilho

Atualizado em 18 de dezembro de 2023 às 11:10
Rogério Saladino ao lado de sua ex-mulher em sua mansão em Trancoso, Bahia. (Foto: Reprodução)

Por Alceu Castilho

Sim, o homem pilhado que executou uma policial nos Jardins, em São Paulo, era o que se chama de empresário.

Dono de uma empresa em recuperação judicial — e esta informação você não terá visto em nossa imprensa preguiçosa.

E recuperação judicial para quê? Para não honrar as dívidas trabalhistas de seu laboratório.

O Tribunal de Justiça (TJ-SP) chegou a ordenar o pagamento das dívidas de mais de R$ 5 milhões da Biofast, em 2020, mas o STJ vetou.

Enquanto isso, Rogério Saladino vivia sua dolce vita na Rua Guadalupe, no Jardim América, onde as casas valem de R$ 19 milhões a R$ 50 milhões — e onde ele promovia uma festinha no momento do crime regada a maconha, skank e drogas sintéticas.

Vivia também a vida doce na fazenda da família em Natividade da Serra, no Vale do Paraíba. O de sempre: pecuária. (Uma das empresas de uma ex-mulher, cavaleira e criadora de cavalos, tem sede no Uruguai.)

Em sua mansão em Trancoso, Rogério realizava luxuosas festas. (Foto: Reprodução)

E vivia essa vida cínica em Trancoso, no sul da Bahia, onde uma mansão como a sua não sai por menos de R$ 15 milhões. (Na foto abaixo, Rogério está com outra ex-mulher, herdeira da Top Engenharia.)

Rogério Saladino ao lado de sua ex-mulher, herdeira da Top Engenharia. (Foto: Reprodução)

 

 

((E com uns óculos escuros afrontosos. O empresário veste Prada?))

Diferença entre capital legal e ilegal

Todos deveríamos entender melhor a fronteira tênue entre o capital legal e ilegal, no Brasil e no mundo.

E entender melhor as origens da desigualdade. Que passam pela exploração — referendada pelo Judiciário — de direitos trabalhistas por empresas espertalhonas.

Eufórico durante sua baladinha nos Jardins, Saladino tirou a vida de uma policial séria (ao que tundo indica, séria), Milene, e provocou a morte de um de seus funcionários, o segurança Alex.

(Não veremos uma multidão de seguranças no velório de Alex.)

Nesse caso específico, o empresário trincado e com dedo mole morreu, durante sua ação suicida.

A ver se seu herdeiro pagará os estudos dos filhos de Milene e Alex.

E as dívidas.

Publicado originalmente no Facebook do autor

Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando neste link

Entre em nosso canal no Telegram,clique neste link