Suplente de Olímpio foi ao Paraguai em jato de empresário acusado de lavagem de dinheiro e preso por trabalho escravo

Major Olímpio e seu suplente Alexandre Giordano

O jornal paraguaio ABC Color dá nova matéria sobre o escândalo de Itaipu, sutilmente ignorado pela mídia brasileira.

Eis a folha corrida do dono do avião em que voou o suplente do probo Major Olímpio, Alexandre Giordano. Spoiler: ele chegou a ser preso em 2003:

Antônio Lucena de Barros aparece como o dono ou responsável pelo jato PR JAJ que foi utilizado no dia 9 de abril quando os empresários da LÉROS Comercializadora chegaram ao Paraguai.

A bordo vieram Alexandre Giordano (suplente de Major Olímpio no Senado brasileiro) que falou em nome da família presidencial do país vizinho; Adriano Deguirmendjian Rosa, Cyro Dias Lage Neto e Bruno Emannuel Silva Nascimento.

Foi uma das várias viagens feitas por brasileiros que usaram a influência do vice-presidente Hugo Velázquez, que, por sua vez, usou Joselo Rodríguez.

Joselo invocou o Presidente e o Vice-Presidente para excluir pontos estratégicos do Ato Bilateral assinado em segredo em 24 de maio deste ano.

Lucena de Barros (também conhecido como Maranhense) é membro de uma dezena de negócios agrícolas, agroindustriais, madeireiros, imobiliários, hoteleiros, residenciais e de alimentos.

Ele foi investigado várias vezes pela justiça brasileira: é um pecuarista denunciado junto com ex-pesos pesados ​​como Fernando Collor de Mello, inclusive por trabalho escravo (maio de 2003). Foi investigado em 2008 como sócio de construção, em 2013 por apropriação indébita e em 2018 porque Fernando Collor também usou sua aeronave para se locomover.

Em abril do ano passado, foi acusado de lavagem de dinheiro, juntamente com um governador do Tocantins, no Brasil. 

O DCM recebeu a seguinte nota da assessoria da Almeida Junior:

Em nome da empresa brasileira Almeida Junior, venho solicitar a seguinte correção a respeito desta matéria (link): https://www.abc.com.py/edicion-impresa/politica/2019/08/15/empresarios-venian-en-jet-de-un-investigado-por-la-justicia/

O Sr. Jaimes Bento de Almeida Junior não é mais proprietário do PR JAJ desde 2013, quando vendeu a aeronave para a empresa AEGEA Saneamento e Participações S.A, conforme consta no contrato em anexo. Provavelmente este jato foi revendido ao atual proprietário, conforme conta no site da ANAC.  https://sistemas.anac.gov.br/aeronaves/cons_rab_novo_resposta.asp?textMarca=PRJAJ&selectHabilitacao=&selectIcao=&selectModelo=&selectFabricante=&textNumeroSerie=

Portanto solicitamos a imediata correção da matéria retirando o nome do empresário, bem como a foto do jato que expõe a logomarca da empresa, que nada tem a ver com este assunto. 

Reforço que a notícia da forma como foi escrita referindo-se ao empresário Jaimes Almeida é falsa. 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!