“A Escola da Vila está preferindo abafar o caso da venda para um grupo ligado ao MBL”, diz professora. Por Donato

Sonia Barreira, diretora da Escola da Vila
Sonia Barreira, diretora da Escola da Vila

 

A compra de unidades do chamado Grupo de Escolas de Qualidade (EQ) pelo grupo Bahema tem suscitado muitos debates. Pais e professores estão indignados e incorformados com a venda para um grupo que, segundo eles, tem ideologia oposta.

A Bahema investiu R$ 34,5 milhões por 80% da Escola da Vila e nega defender qualquer linha político-ideológica ou possuir ligação com qualquer instituição política, movimento ou partido.

No entanto, seu diretor Guilherme Affonso Ferreira Filho é também diretor do Instituto de Formação de Líderes de São Paulo (IFL/SP), uma organização que promoveu o Fórum Liberdade e Democracia, pleno de representantes da extrema direita como Jair Bolsonaro e Fernando Holiday.

O DCM ouviu uma professora da Escola da Vila sobre a negociação e o receio em relação ao futuro. Ela solicitou anonimato à reportagem.

Procurada, a direção da Escola da Vila disse através de sua assessora de comunicação que não concederia entrevista.

DCM: O que os professores temem exatamente com a negociação?

O principal receio é a mudança do projeto crítico pedagógico e a piora nas condições de ensino. O ‘como ensinar’ tem tudo a ver com as relações trabalhistas, então o grande receio é pela terceirização, pela alta rotatividade de funcionários, conceitos que iriam de encontro com os princípios da Vila. Há também a preocupação com aumento do número de alunos por classe ou do número de classes, o que pode fazer com que haja queda na qualidade.

Tanto o grupo Bahema como a direção da escola afirmam que nada será alterado. Os professores não acreditam nisso?

A gente gostaria muito de contar com a palavra. A Vila tem um histórico de 37 anos de acordos decididos apenas verbalmente, coletivamente. O próprio projeto pedagógico é algo que se constrói ininterruptamente sem depender de uma ‘documentação’. Nossa inseguranca é que não há até o momento evidências concretas que possam nos assegurar esse compromisso.

A permanência da Sônia Barreira na direção pedagógica é claro que nos tranquiliza, porém mesmo com ela nessa posição não há garantias. Foi-nos apresentado o organograma atual que coloca o grupo Bahema acima de tudo, depois a Bahema Educação e só depois vem a direção pedagógica. Primeiro vêm o planejamento estratégico. Ou seja, estaremos a mercê das decisões financeiras.

Mas não é assim mesmo?

Sim, em qualquer empresa. Mas muito do que queríamos na Vila era colocado como prioritário. Recursos para laboratórios, o trabalho de campo. Até que ponto isso não ficará comprometido?

Unidade da Escola da Vila
Unidade da Escola da Vila

O que os profesores querem?

Abertura do contrato. Soubemos que talvez isso não seja possível. Gostaríamos de conhecer as metas, saber ao que estaremos sujeitos ao longo dos próximos anos. Os pais também fazem esse questionamento, pois isso tem a ver com a mensalidade que irão pagar, por exemplo. Haverá aumento de alunos, aumenta da carga de trabalhao de funcionários e professores? Infelizmente a negociação, da maneira como foi feita, quebrou uma relação de confiabilidade que havia com a direção. A situação nova exige documentação.

Dizem que não haverá terceirização, ok, mas vamos documentar então, ou seremos pegos de surpresa novamente? Eles se dizem abertos a ouvir, a contemplar nossas demandas, mas nas reuniões não registram nada, não anotam nada. O importante a ressaltar é que queremos mostrar que gostamos de trabalhar aqui, mas há uma condição de trabalho. Trabalhamos por um salário inferior à média, mas essa defasagem é até certo ponto desconsiderada pois há um projeto que vale a pena. Só faz sentido se estivermos alinhados com o projeto, não estamos só pelo salário.

Que leitura faz do fato do diretor da empresa ser simpatizante de movimentos de direita que condenam, por exemplo, as ocupações dos secundaristas?

É preocupante o vínculo desses diretores da Bahema com o MBL, com uma direita retrógrada que a gente nem quer chamar de liberal porque os liberais têm todo um embasamento que parece que eles não têm. Eles têm uma perspectiva conservadora, uma proximidade com o Partido Novo e tal [Guilherme Affonso Ferreira, pai do diretor Guilherme Affonso Ferreira Filho, é amigo de João Dionísio, fundador do Partido Novo. Um partido que se define ‘alinhado ao liberalismo’ e composto por ‘pessoas sem carreira política’].

Preocupa-nos as consequências porque isso entra em choque com nossos preceitos mais básicos. E depois, a Bahema não têm histórico, só está há um ano na área educacional e o que tem para mostrar é um evento cuja mesa sobre educação foi catastrófica. Um evento com pessoas que se associam a um plano de desmantelamento dos projetos de formação de cidadãos pensantes e críticos. Uma boa parte de professores acha tudo isso muito estranho.

Mas quem vendeu não sabia? As sócias não se preocuparam em saber o perfil do comprador?

A gente antes nunca teve dúvidas das intenções das donas com relação ao projeto da Vila. É claro que o dinheiro manda, mas sempre houve uma coerência entre teoria e prática. A partir do momento que hoje 80% da escola estão com um grupo com baixa experiência e suspeito de suas ligações com outros interesses, aí a gente se sente inseguro.

Como está sendo a reação dos pais de alunos?

Na primeira semana pós-venda os pais foram os primeiros a se indignar por não terem sido informados. E foram também os primeiros a pesquisar quem eram os compradores e então descobriram a tal mesa sobre educação promovida pelo Guilherme Ferreira, o que chocou a todos pois ali fala-se barbaridades. Há uma preocupação da parte deles com a continuidade do projeto pedagógico e pela politização da coisa toda, embora esse grupo se apresente como ‘não político’. Assim como os professores, eles estão inseguros e estão formando inclusive uma comissão jurídica. E claro, alguns sentem-se traídos e cogitam sim em tirar seus filhos da escola.

Está havendo alguma forma de coação por parte da direção da escola para que professores não falem com a imprensa?

Estão preocupados. Falar com a imprensa vai dar visibilidade a uma questão que pode ser negativa, pode influenciar na credibilidade da empresa, que pode acarretar na queda das ações. A Bahema é uma empresa de capital aberto. Então estão preferindo abafar mesmo.

 

Fórum organizado por um dos diretores do grupo que comprou a Escola da Vila
Fórum organizado por um dos diretores do grupo que comprou a Escola da Vila