A grosseria gratuita de Carmen Lúcia. Por Paulo Nogueira

Maus modos
Maus modos

O que levou a ministra Carmen Lúcia a ser tão deselegante, tão impiedosa e tão maldosa exatamente no dia em que foi eleita para suceder Lewandowski no comando do STF?

A única resposta que me ocorre é uma combinação letal de ódio no coração com ignorância presunçosa.

Dizer que quer ser tratada como “presidente”, tudo bem. Mas afirmar que quer isso por ser “amante da língua portuguesa” é ao mesmo tempo uma crueldade com Dilma e um disparate linguístico.

Presidenta é uma forma absolutamente correta. Ao contrário de Carmen Lúcia, o português é uma língua generosa: em várias situações, admite mais de uma escolha.

Dilma optou por presidenta para reforçar o ineditismo de ser a primeira mulher a ocupar o Planalto.

A mídia jamais a tratou como ela desejava não por amor ao português castiço ou coisa do gênero. Foi uma decisão meramente política. A Veja tratou Isabelita Peron como presidenta da Argentina nos anos 1970, para ficar num caso. Presidenta figura no Aurélio desde a edição inicial, em 1975.

No âmbito da Academia Brasileira de Letras, o imortal Merval Pereira não usa presidenta, mas o imortal Machado de Assis usou em Memórias Póstumas de Brás Cubas.

Chega?

Isabelita era presidenta da Argentina para a Veja
Isabelita era presidenta da Argentina para a Veja

 

Negar a Dilma o título escolhido por ela fez parte do jornalismo de guerra que as grandes companhias de mídia adotaram contra ela desde o primeiro dia de seu primeiro mandato.

Dilma teve 54 milhões de votos. Carmen Lúcia teve um: o de Lula, que a levou ao STF em mais uma de suas escolhas desastradas.

Mesmo assim, Carmen Lúcia se acha no direito de sapatear em cima de Dilma. E exatamente quando Dilma enfrenta um drama épico, seu afastamento por um crime que não cometeu.

As mulheres de hoje têm uma palavra para expressar a fraternidade feminina: sororidade. O que Carmen Lúcia fez é o exato oposto de sororidade.

Se não bastasse tudo, o comentário infeliz vem num momento em que uma parcela expressiva dos brasileiros nutre total desconfiança em relação à lisura da Justiça e, especificamente, do STF.

A mesquinharia gratuita de Carmen Lúcia apenas vai reforçar essa desconfiança.

Numa tirada antológica, Sêneca escreveu que ao se lembrar de certas coisas que dissera invejava os mudos.

A nova presidente — chamemo-la como quer — do STF poderia refletir sobre a frase de Sêneca.