Beto Richa vai dizer onde estão os black blocs que ele viu? Por Kiko Nogueira

PMs do Paraná enfrentam corajosamente um black bloc
PMs do Paraná enfrentam corajosamente um black bloc

 

Você já conhece a história fictícia dos PMs do bem do Paraná, que teriam se sublevado contra as ordens superiores e se recusado a bater nos professores grevistas.

Beto Richa precisa explicar, agora, onde está outra tribo perdida, esta inventada por ele: a dos black blocs que, segundo sua imaginação, teriam sido responsáveis pela pancadaria.

Depois das cenas de horror, Richa saiu-se com as seguintes explicações:

. “Partiram para cima dos policiais com as grades de contenção’’

. “Os policiais estavam parados, foi uma reação natural da proteção da vida e revidaram. Tem 20 policiais feridos’’

. “Não dá para negar que temos algumas cenas chocantes, indesejáveis. Mas lamentavelmente [houve] a presença de baderneiros, arruaceiros, black blocs que radicalizaram”

Os únicos soldados que se feriram foram o sujeito que se pintou com canetinha hidrocor e o pitbull que machucou o dente rasgando a coxa de um cinegrafista. O governador do Paraná ainda falou em vídeos mostrando mochilas com pedras e coqueteis molotov e que “sete black bocks foram detidos”.

Doze pessoas foram presas — professores, servidores públicos, estudantes e dois adolescentes. Foram autuados por crimes como resistência, desacato e perturbação do trabalho ou sossego alheio e então liberados.

De acordo com a Defensoria Pública do Estado, ninguém foi detido por dano ao patrimônio ou porte de artefato explosivo.

Os black blocs de Beto Richa são uma cascata a mais de um governador saudado por Aécio Neves como “o mais bem preparado homem público”.