Com pedido de prisão nos EUA e Espanha, Ricardo Teixeira já contou ser bandido de estimação da Globo. Por Kiko Nogueira

Eles

O ex-presidente da CBF entre 1989 e 2012, Ricardo Teixeira, está sendo procurado pela polícia de dois países.

Na Espanha, é acusado de lavar dinheiro de comissões ilícitas recebidas na venda de amistosos da seleção brasileira.

Ele teria formado uma “organização criminosa” com o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell,  preso há quase dois meses.

Nos EUA, responde por fraude, lavagem de dinheiro e por embolsar propinas para beneficiar empresas de marketing esportivo. Sua prisão é pedida desde 2015.

Vivendo no Rio de Janeiro, Teixeira está de boa na lagoa, já que não pode ser extraditado. “Tudo que me acusam no exterior não é crime no Brasil. Não estou dizendo se fiz ou não”, disse à Folha recentemente.

Teixeira não começou ontem. Pôde barbarizar em seu reinado futebolístico com a blindagem total da Globo, sua sócia.

A emissora levou as Copas de 2010 e 2014 por 220 milhões de dólares, pagos à Fifa, 100 milhões pela primeira e 120 pela segunda. A Record foi preterida com uma oferta de 360 milhões de dólares.

Houve algumas tentativas de CPI na Câmara Federal. Em 2016, Teixeira faltou a seu depoimento apresentando um atestado médico. Teria se submetido a uma cirurgia no hospital Albert Einstein.

Em 2011, a revista Piauí publicou uma longa e reveladora matéria sobre esse casamento. Ricardo Teixeira e a repórter Daniela Pinheiro se encontraram em Zurique dez vezes.

O entrevistado falou muito e de quase tudo, mas o assunto principal foi seu vínculo de confiança e cumplicidade com a TV Globo (em contraposição a seu ódio mortal do jornalista inglês Andrew Jennings, autor das reportagens mais devastadoras sobre a corrupção no esporte).

“Só jornalista fala mal de mim”, diz. Não os da Globo. Teixeira se orgulhava de sua parceira não repercutir denúncias contra ele. “Só vou ficar preocupado, meu amor, quando sair no Jornal Nacional”, afirma.

Daniela conta de um empresário que lhe confidenciou, num certo momento, o receio de ser entrevistado pela Rede Globo sobre pacotes de viagem para a Copa de 2014 com “preços estratosféricos”.

“Não vai ter isso, não: está tudo sob controle”, declarou o cartola.

Daniela faz referência a um Globo Repórter sobre a CPI da Nike em que se deixava claro que o estilo de vida do empresário era incompatível com sua suposta renda.

Ele deu o troco alterando o horário de uma partida entre Brasil e Argentina. Foi a última ocasião em que saiu uma matéria negativa sobre a CBF.

“Quanto mais tomo pau da Record, fico com mais crédito na Globo”, afirmou. “Em 2014 posso fazer a maldade que for. Não dar credencial, proibir acesso, mudar horário de jogo. E sabe o que vai acontecer? Nada”.

A promiscuidade era absoluta. “Antes de pagar a conta no restaurante, Teixeira falou pelo telefone com Evandro Guimarães, lobista da Globo em Brasília. Trocou ideias sobre inseminação de bovinos, uma de suas mais novas atividades”, relata a reportagem. 

São os bandidos de estimação. Eis Ricardo Teixeira, eis a Globo, eis o Brasil. Não há a menor possibilidade de dar certo.