Como a mesma mídia que destruiu Dilma fracassou miseravelmente na construção de Temer. Por Paulo Nogueira

O ápice da tentativa de fazer de Temer um estadista: Roda Viva
O ápice da tentativa de fazer de Temer um estadista: Roda Viva

Não tinha me dado conta, em 30 anos de redações vividos sobretudo na Abril, do poder destruidor da imprensa.

Só consegui enxergar as coisas de fora. Verdade que o jornalismo de guerra é uma coisa relativamente nova.

A Veja foi pioneira, logo depois da eleição de Lula em 2002. O resto da mídia foi progressivamente aderindo à guerra.

Hoje, você não distingue, na essência, na alma, a Veja e o Jornal Nacional, para ficar num caso.

Isto posto, em minhas reflexões sobre meu ofício compreendi só agora o que se poderia chamar de “Maldição da Mídia”.

Ela destroi, mas não constroi. Um poder de destruição avassalador, mas impotência total na construção.

A maldição fica clara quando você examina o que foi feito de Dilma e o que está sendo feito com Temer.

As companhias jornalísticas acabaram com Dilma. Reduziram-na a nada. Inventaram uma mulher que era analfabeta, incompetente, grosseira e, sobretudo, corrupta.

Não concederam a ela sequer o desejo legítimo — e sustentado pela boa gramática — de ser chamada de presidenta.

Machado de Assis usou a palavra presidenta, mas os barões da mídia e seus sequazes acharam que sabiam mais que Machado.

O trabalho de extermínio de Dilma acabou dando nas convocações para protestos de um público manipulado e idiotizado pela mídia mesma.

Um clássico dos crimes editoriais foi a infame capa, às vésperas da eleição de 2014, em que a Veja afirmava que Dilma e Lula sabiam tudo sobre o Petrolão. A fonte era um alegado delator.

Você tem uma ideia da barbaridade daquela capa quando vê o teor das delações da Odebrecht.

Dilma acabaria virando terra arrasada. O jornalismo de guerra triunfou na obra de devastação de Dilma — e da democracia, e de 54 milhões de votos.

Agora considere Temer. A mesma mídia que liquidou Dilma tentou fazer dele um estadista.

Seu português era impecável, ao contrário da mulher de dois neurônios. Suas mesóclises, prova de cultivo e erudição. Foi tratado também como um mestre da articulação política.

Um dos colunistas do Globo, Ricardo Noblat, chegou a elogiar a beleza de Temer.

O ápice da tentativa de construção se deu num Roda Viva histórico em que os entrevistadores o trataram como um semideus. No final do programa, um deles — o produtor — postou um vídeo no qual agarrava Temer pelos braços para mostrar ao público que ele era de “carne e osso”.

A realidade logo se incumbiria de desfazer a miragem na qual a mídia queria que os brasileiros acreditassem.

O Temer real era e é este que está aí: covarde até para enfrentar a possibilidade de vaias, inepto para liderar o país num momento de extrema turbulência, carisma zero — isso tudo e mais de 40 citações numa única delação.

A imprensa fracassou miseravelmente na criação do Super Temer, tanto quando tivera êxito na destruição de Dilma.

Nem ponte ele é, mas uma pinguela, para usar a expressão de um dos cardeais do golpe, FHC. (Pinguela é ponte precária, de limitada confiabilidade.)

Esta a “Maldição da Mídia”: pode muito, pode tudo para destruir. Mas nada, rigorosamente nada, para criar. Traz sempre a sombra, o caos,  jamais a luz, jamais o sol.