Senado vota projeto que altera regras do pré-sal

Postado em 24 de fevereiro de 2016 às 4:21 pm

Do G1:

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que colocará para votação na sessão desta quarta-feira (24) o projeto de lei que altera as regras de exploração do pré-sal.

O projeto, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), retira da Petrobras a exclusividade das atividades no pré-sal e desobriga a estatal a participar de todos os consórcios de exploração com percentual mínimo de 30% de investimentos.

Segundo Calheiros, não há como não votar esse projeto em razão da situação em que a estatal se encontra após o escândalo de corrupção revelado pela Operação Lava Jato.

“Não há como não votar esse projeto. A Petrobrás está inviabilizada. Esse projeto protege o interesse estratégico da Petrobrás e ela, como consequência, vai fazer investimentos mais seletivos”, disse Renan a jornalistas nesta quarta.

“Você não pode obrigar a Petrobrás a ter 30% [dos investimentos] sem que ela tenha dinheiro e com débito de R$ 500 bilhões. Isso vai atrasar o Brasil e a própria exploração do pré-sal”, afirmou.

Apesar de não haver consenso entre a base aliada do governo, que é contra o projeto, e a oposição, que se posiciona a favor, o presidente do Senado disse acreditar na aprovação do projeto.

“Acredito na aprovação do projeto hoje. Muitos senadores que votaram a derrubada da urgência, me procuraram e fizeram questão de dizer que, no mérito, votam a derrubada da obrigatoriedade”, explicou.

Renan também falou durante a entrevista sobre o rebaixamento da nota do Brasil pela agência Moody’s. Com a nova nota, o país perdeu o grau de investimento (selo de bom pagador).

Para o peemedebista, o rebaixamento é reflexo da “demora” para que o país aprove as medidas para recuperar a economia. Ele disse ainda que considera um “horror” o rebaixamento da nota do Brasil.

“Há uma consciência do Congresso da necessidade urgente das retomadas das mudanças estruturais. O governo por sua parte precisa ter claras iniciativas. Senão, não vamos romper esse cenários de inércia”, disse.

 

Clique aqui e veja as 10 noticias que você precisa ler agora