O que os pais da direita hidrófoba estão ensinando às suas crianças?

criança com raiva

 

No YouTube, o menino de 5 anos, risonho, está sentado à mesa conversando com a mãe, que o filma.

Ele conta uma história. Não uma história infantil. Nada disso.

Ele fala do Lula. “O Lula não faz parte do Brasil”, diz. A mãe ri.

— Ele cortou esse dedo, ele prossegue, segurando o mindinho esquerdo.

— Cortou só pra receber dinheiro?

— Arrã. Ele comprou um monte de coisas pra ele. Recebeu avião, helicóptero…

No final, ela pergunta:

— E o Brasil, João?

— Ferrou! O Lula pegou tudo!

O garotinho está longe de ser uma exceção. No YouTube há centenas de vídeos de crianças fazendo graça com baixarias desse quilate.

Foi-se o tempo em que papai e mamãe ficavam orgulhosos de exibir para os parentes no Natal o talento do rebento em cantar, imitar um personagem de Toy Story ou algo que o valha.

Para as famílias coxas de hoje, a moda é ensinar os filhos a odiar desde pequenos.

Meu caçula, por exemplo, me indagou na sexta-feira passada: “Pai, a Dilma é puta e fuma maconha?” Dois colegas da classe passaram a semana dando essa notícia aos amigos. Eles têm 10 anos. A escola está pensando em como agir em casos assim.

Essa mensagem de ódio é internalizada por essas crianças todos os dias através de adultos corrompidos pretensamente chocados com escândalos de corrupção, com “tudo isso que está aí”, com comunistas, bolivarianos etc.

Está-se criando uma nova geração alimentada por uma dieta retórica que inclui a calúnia, o enxovalhamento, a demonização e a intolerância.

A mãe acha feio o moleque mandar alguém tomar no cu — a não ser que seja aquela velha nojenta que aparece na televisão ou o barbudo safado. Nesse caso, vamos rir todos juntos. Hahahahaha. Você não precisa ser um pedagogo para saber que isso não é lá muito saudável. Você não precisa ser muito esperto para saber no que isso vai dar.

A doutrinação não é apenas tolerada, mas estimulada. Ninguém deve se surpreender se, daqui a pouco, aparecer um boneco do dinossauro Barney dizendo “Vamos matar petralhas” se você apertar sua barriga.