Os truques da mídia para ludibriar o público na questão das delações. Por Paulo Nogueira

Direto da maternidade a ordem de prisão para Lula: Erick Bretas
Direto da maternidade a ordem de prisão para Lula: Erick Bretas

Os truques da mídia para ludibriar o público ingênuo na questão das delações premiadas são patéticos.

Você tem que ser um completo analfabeto político para engolir a manipulação.

É assim.

Se o citado na delação é o Aécio, por exemplo, a imprensa toma todos os cuidados. Tudo vai na condicional.

Fulano alegou, afirmou etc etc.

Segundo o delator etc etc.

O desmentido aparece com destaque.

Rapidamente a delação desaparece do noticiário. Muitas vezes não fica sequer um dia. Isso não se altera nem quando o citado aparece, como Aécio, em três diferentes delações.

Agora. Quando os personagens mencionados na delação são os inimigos, os métodos são outros.

Todas as condicionais do bom jornalismo são abandonadas.

O delator não “afirma”: “revela”. “Confirma”. Onde havia dúvida, aparece a certeza.

É o caso da alegada delação de Delcídio. Lula e Dilma estão nela? É uma  festa.

O diretor de novas mídias da Globo, Erick Bretas, representa à perfeição este estado de espírito.

No Facebook, em plena maternidade, onde sua mulher estava dando à luz, ele postou o seguinte. “Na maternidade vejo a notícia de que Delcídio delatou Dilma e Lula. Que Dilma nomeou ministros do STJ para barrar as investigações da Lava Jato e que Lula comandava a corrupção na Petrobras. Nossos filhos não merecem um país assim. Dilma tem que cair e Lula tem que ser preso.”

Para escrever algo assim, Bretas tem que estar certo de que a Globo aprova. Ele não correria risco de desagradar os patrões.

Você pode avaliar, por aquele post histérico, o ambiente pró-golpe nas redações do Grupo Globo.

Note. Ele conferiu uma estatura de Catão a Delcídio, um homem incapaz de mentir para se safar de alguma enrascada. Deu à IstoÉ o status de uma revista séria, confiável.

E julgou sumariamente Dilma e Lula.

Eu, aqui do meu canto, diria: “Meus filhos não merecem a Globo e nem jornalistas como Bretas.”

Mas o que importa, aqui, é notar a diferença de tratamento nas delações.

Claro que Delcídio vai ficar nas manchetes, no Jornal Nacional, nas primeiras páginas dias, e dias, e dias. Porque, neste noticiário, você joga Lula e Dilma na lama.

Pelo menos para os analfabetos políticos esse truque funciona. A palavra de Delcídio na alegada delação vira verdade absoluta para os que acreditam na honestidade e nos bons propósitos de jornais e revistas.

Se o alvo é Aécio, a sombra e o silêncio, espaços mínimos e o sumiço. Se é Lula e Dilma, o estardalhaço contínuo – e a imediata alusão a impeachment e prisão, como escreveu, em plena maternidade, Erick Bretas.

Não fosse a internet, com o contraponto, a situação estaria perdida, como esteve para Getúlio e para Jango.

Mas a internet, com as redes sociais e sites independentes, é um foco de resistência contra os que tentam, mais uma vez, destruir a democracia, como fizeram em 1054 e em 1964.

Nós, sites independentes e redes sociais, não somos tudo – mas também não somos nada.

Já é alguma coisa.