Quem é Doria, o “papagaio” segundo Goldman, para falar de Lula? Por Mauro Donato

Eles

 

Quem é Doria? Segundo Alberto Goldman, vice-presidente do PSDB, seu colega de partido João Doria não passa de um papagaio. Foi o que disse o grão tucano depois de mais um dos indigestos vídeos do prefeito paulista.

Após a condenação de Lula, Doria gravou um depoimento-resposta ao vice-presidente do PT, que havia dito que o ex-presidente teria recebido a sentença dada pelo juiz Sergio Moro com a ‘serenidade do inocente’.

“Ora, serenidade do inocente? A serenidade da frieza de um mentiroso, de um usurpador, de um enganador do povo brasileiro. Esta mesma frieza que ele utilizou para receber de presente de uma construtora um triplex do Guarujá, para receber de presente um sítio no interior do estado de São Paulo. Você não engana mais os brasileiros, Lula”, declarou o papagaio-tucano no vídeo.

Então vamos lá, voltemos ao título deste texto: Quem é Doria para falar de Lula? Para falar de enganação, de ilicitudes, de tirar proveito da aproximação com o poder?

Doria já praticou grilagem. Incorporou uma área pública de 365 metros quadrados à sua modesta casa de veraneio (14 mil m²) em Campos do Jordão. Perdeu na justiça e então desdenhou. Disse que aquele terreno ‘não era nada’ mesmo.

Aliás em matéria de imóveis o prefeito é chegado numa coisa errada. Ficou por mais de dez anos devendo cerca de R$ 90 mil de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) da mansão onde mora na capital paulista. Outro imóvel insignificante, coisa de 3 mil metros quadrados apenas.

Tributo pago somente depois que venceu as eleições pois pegaria mal ser prefeito devedor. Do contrário, permaneceria em sintonia com as práticas da elite que sonega e prefere pagar a advogados do que quitar impostos. ‘Devo, não pago, sonego enquanto puder’.

E para falar da antena do sítio em Atibaia que diz ser de Lula, Doria precisa explicar como conseguiu uma idêntica – em tempo recorde – para um condomínio de luxo em Trancoso (BA) onde possui outra casa para descanso (Spoiler: João Doria levou um diretor da Oi ao seu programa Show Business e depois execerceu pressão sobre ele. Em 15 dias o condomínio passou a ter telefone e internet).

Se com imóveis Doria não anda na linha, com bens móveis não é diferente. Dentro de seus carros (simplórios Porsches, BMWs e Audis), o tucano desrespeita tanto as leis de trânsito que teve sua habilitação para dirigir suspensa. O acúmulo de pontos se deveu ao excesso de velocidade na maioria das vezes, mas também por não respeitar o sinal vermelho. Leis? Alguém aí disse leis?

Para não haver conflito de interesses, não convém que um ocupante de cargo público tenha negócios na iniciativa privada. O que fez João Doria ao eleger-se prefeito? Passou suas empresas para o nome do filho.

Alguém tem dúvidas de quem ainda dá as cartas naquele grupo que nada mais é que um clube da fina flor do empresariado? Empresariado este que agora faz doações ‘sem contrapartidas’ à prefeitura. O que Doria fez não é proibido, mas é imoral, anti-ético. Uma malandragem repugnante.

Portanto quem é ele para falar de Lula? Ok, quem tem boca fala o que quer, mesmo que seja um papagaio. Mas está disposto a ouvir o que não quer?

João Doria (patrimônio declarado de R$ 180 milhões), concluiu seu vídeo amador solicitando à população que “abra a bandeira do Brasil nas sacadas dos seus apartamentos, nos jardins de suas casas, nos seus automóveis, no seus ambientes de trabalho, onde você puder”, em apoio a Sergio Moro. Quantos e quem são os brasileiros que possuem apartamentos com sacadas? Casas com jardins, automóveis, pulôveres, decanters, adegas climatizadas?

Bem, se você for um desses brasileiros, pendure a bandeira então.