Para Bolsonaro, um médico é um monstro. Por Fernando Brito

 

Originalmente publicado por TIJOLAÇO

Por Fernando Brito

O Estado de S.Paulo revela que Jair Bolsonaro “trocou” o médico que lhe fará, daqui a pouco, uma cirurgia para retirada de um cálculo na bexiga. A razão: o cirurgião Miguel Srougi, professor da Universidade de São Paulo e um dos mais prestigiados urologistas do Brasil disse, quando da demissão de Nelson Teich do Ministério da Saúde, que o atual presidente era “uma ameaça para a Saúde do Brasil”.

Bolsonaro, claro, tem o direito de escolher o médico que quiser para atendê-lo, mas a troca de médico denota um traço paranóico do atual presidente: o medo de que todos os que divergem dele estariam querendo matá-lo.

São comuns, na História, os casos de ditadores que temem, todo o tempo, que alguém vá atentar contra a sua vida, certamente porque acham – não sem razão – que provocam ódio em muita gente.

Só que isso revela também o distúrbio mental da culpa, como se concordassem “merecer” um castigo pelo que fazem. Não conseguem imaginar que alguém, nem mesmo um médico, possa divergir de ideias sem odiar o ser humano que as tem, pois é exatamente assim que funcionam suas mentes.

Mas, de fato, Jair Bolsonaro não é caso para o Dr, Srougi, é caso para o Dr. Freud.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!