Deu no Miami Herald: milhares de exilados cubanos estão voltando à ilha para viver

Passageiros no Aeroporto Internacional José Martí em Havana, em fevereiro de 2016.

Miami Herald publicou um artigo sobre a repatriação de cubanos, escrito por Sarah Moreno. Como dizem os coxinhas: “vai pra Cuba!”

Para René, Miami tem sido um lugar solitário desde que sua esposa morreu há oito anos.

Embora o idoso de 78 anos de Guantánamo, Cuba, viva com sua filha e neta, ele está sozinho a maior parte do tempo. Então, em julho, ele pediu autorização do governo cubano para retornar.

“A solidão me mata”, disse Rene. “O fim da estrada para pessoas idosas aqui é o asilo, já que a família não pode cuidar de nós”, disse ele. “E isso é o pior que pode acontecer comigo”.

René veio a Miami em 2004 como refugiado político. Ele agora é cidadão estadunidense, mas quer se reunir com seus dois filhos, quatro irmãos e vários netos e bisnetos em Guantánamo.

“Não me arrependo de ter vindo para cá. Se eu disser isso, serei ingrato “, disse René, que passou cinco anos como prisioneiro político em Cuba. “Mas em Cuba, a vida é diferente. Você se move e conversa com as pessoas. Aqui, você pode passar um mês e não ver o seu vizinho”.

René e a maioria dos outros cubanos entrevistados pelo Nuevo Herald não queria fornecer seus nomes reais por muitas razões, sem contar o fato de que muitos esperam a aprovação de Cuba para seu retorno. Eles fazem parte de uma tendência que vem crescendo desde as reformas migratórias que Raúl Castro lançou em 2013.

Sob essas reformas, os cubanos que deixaram o país e foram chamados de “emigrantes” pelo governo agora podem solicitar a “repatriação” para recuperar sua residência e benefícios. Eles recorrem aos consulados cubanos nos países onde moram, ou ao Ministério do Interior na ilha.

Isso não significa que eles possam recuperar propriedades que foram confiscadas quando saíram de Cuba. O governo tomou as casas das pessoas que emigraram “definitivamente”.

Os números do governo cubano mostraram que 11.176 cubanos solicitaram repatriação em 2017, a maioria morando nos Estados Unidos. Em novembro de 2016, o chefe da missão diplomática cubana em Washington disse que 13 mil haviam recorrido. Juan Carlos Alonso Fraga, chefe do Centro de Estudos de População e Desenvolvimento no Escritório Nacional de Estatística, falou sobre o fenômeno durante uma aparição na TV.

“Eles são de todas as idades, de ambos os sexos, embora a maioria tenha mais de 50 anos”, disse Fraga, acrescentando que a tendência de 2016 continuava em 2017.

Os cubanos entrevistados pelo Nuevo Herald deram diferentes motivos para sua decisão de retornar à ilha.
Alguns, como René, querem passar seus últimos anos com a família em seu país de origem. Outros precisam de cuidados médicos, e ainda outros querem comprar ou herdar uma casa, se aposentar em um lugar onde o custo de vida é barato ou até mesmo se envolver em ativismo político.

Para Iliana Hernández, uma ativista da organização Somos +, que retornou da Espanha em 2016, “fiz isso porque devemos educar os cubanos a perderem o medo, usar minha atitude para mostrar que podemos exigir nossos direitos através da luta não-violenta “, disse Hernández, que deu seu nome verdadeiro.

Hernández, que tem cidadania espanhola, falou que vive em tempo integral na ilha, mas viaja ao exterior “para respirar um pouco e viver a democracia”.

Residindo em Cuba, morando no exterior

Na verdade, a maioria das pessoas que têm ou querem recuperar a residência dizem que não planejam morar na ilha. As reformas migratórias de 2013 também permitiram que os cubanos vivessem no exterior por até 24 meses sem perder a residência, seus benefícios ou suas propriedades.

“É tudo uma questão de dinheiro. A grande maioria se repatria não porque quer viver em Cuba, mas porque isso lhes permite certas vantagens econômicas”, disse Manuel, que começou seu processo de repatriação no início deste ano, mas planeja continuar morando em Miami.

As vantagens incluem passaportes mais baratos. Um cubano que viva nos Estados Unidos deve pagar 400 dólares para obter um passaporte de seu país, mas um residente paga apenas 100. As renovações do documento, exigidas a cada dois anos, custam 200 dólares para os cubanos que vivem no exterior, mas apenas 25 para os residentes.

Os cubanos que retornam também têm o direito de trazer uma remessa de bens domésticos sem pagar direitos de importação. Uma vez lá, eles também podem importar bens para uso pessoal e pagar em pesos cubanos em vez de moedas fortes.

Manuel, de 39 anos, disse que espera se beneficiar dos menores custos de passaportes, mas afirmou que o principal motivo para a busca da residência cubana é impedir o governo de negar-lhe a possibilidade de voltar a entrar na ilha.

“Eu não quero ser como Ofelia Acevedo”, disse ele, referindo-se à viúva do ativista Oswaldo Payá, que mora em Miami. Foi negada a reentrada dela em Cuba enquanto a filha, Rosa María Payá, tinha permissão para viajar entre Miami e Havana.

“Quando você emigra, o governo pode negar sua entrada no país. Mas quando você é residente, você pode entrar quando quiser”, disse ele. “Na verdade, você mora em Cuba mesmo que você more em Miami”.

Os requisitos de Cuba para recuperar a residência incluem ter alguém na ilha que promete abrigar e alimentar os repatriados até que possam providenciar por si mesmos.

A maioria dos repatriados traz seu próprio dinheiro, no entanto, e muitas vezes planeja investir em uma pequena empresa, como um salão de cabeleireiro ou um restaurante familiar.

“As pessoas levam roupas e medicamentos de Miami e os vendem lá” para se sustentarem, disse Manuel.

Ele afirmou que os funcionários de imigração cubanos geralmente perguntam aos futuros repatriados o que eles planejam fazer na ilha, se eles planejam investir em um negócio, por que eles estão retornando e que tipo de empregos eles têm no país em que vivem.

Ele disse que contou ao entrevistador que queria cuidar de sua mãe, mas ouviu outro homem do seu lado dizer que “se arrependeu por ter sido enganado pelas mentiras do imperialismo e que viver nos Estados Unidos não era o que ele esperava”.

“Eu conversei com aquele homem e era tudo mentira. Ele só queria entrar em Cuba e ainda morar em West Palm Beach”, disse ele.

O direito de comprar e herdar propriedade

Manuel disse que acredita que o sistema de repatriação é ilegal e “só pode ter sido concebido na mente macabra dos Castro”.

“Como posso perder meus direitos como cubano apenas porque vou morar em outro lugar?”, perguntou ele. “Ninguém entende por que você precisa se repatriar para seu próprio país”.

A palavra repatriação também irrita Beatriz, uma mulher de Miami que deixou Cuba há 25 anos, mas ainda considera a ilha como sua pátria.

“Eu quero recuperar meus direitos de cidadã cubana”, disse Beatriz, que iniciou o processo no ano passado. “Por exemplo, o direito de herdar a casa da minha mãe. Aqui, tenho um bom salário e uma casa que ainda pago. Mas a casa da minha família está em Cuba, e podemos perdê-la”.

Ser capaz de herdar e comprar imóveis é um dos direitos resgatados pelos cubanos que recuperam a residência.
“É atraente poder comprar uma propriedade”, disse Beatriz. Ela disse que não pensa ser arriscado investir em Cuba e que não perdeu nenhuma propriedade quando saiu, porque morava com sua mãe, que manteve a casa.

“Seria mais arriscado dar dinheiro a outra pessoa para comprar uma propriedade para mim”, completou. “Você corre o risco por qualquer coisa que fizer. Aqui em Miami, muitos dos meus amigos perderam suas casas durante a crise de 2008”.

Seu plano de curto prazo é se aposentar em Cuba.

Cuidados médicos

O câncer levou Armando a retornar a Cuba em dezembro de 2016. Um ano antes, ele foi diagnosticado com câncer de estômago no estágio quatro. Ele sofreu uma cirurgia de risco, complicada por uma infecção.
Agora, totalmente recuperado, Armando disse em uma entrevista que depois de oito cirurgias e uma rodada de quimioterapia, sua esposa o abandonou e levou seu filho.

“Fiquei sozinho, sem dinheiro, sem poder sair da cama ou fazer qualquer coisa”, disse ele. Perdeu o emprego e o seguro de saúde.

Sua mãe em Cuba obteve uma autorização humanitária do governo cubano para levá-lo à ilha.

Como estrangeiro em Cuba, inicialmente teve que pagar em dólares americanos por seu tratamento na Clínica Ciro Garcia, em Havana. Então ele decidiu recuperar a residência e continuou seu tratamento no Hospital Oncologia, também em Havana, pagando em pesos.

Ele permaneceu na ilha por quatro meses e se recuperou, mas nunca planejou ficar.
“Eu implorei a Deus que não me deixasse por lá, que eu não pertencia a Cuba”, lembrou Armando. Ele disse que não poderia se acostumar com toda a escassez, especialmente da comida.

“O que os cubanos estão fazendo é tentar recuperar os direitos que eles tiraram de nós. Nenhum outro país tira seus direitos se você se mudar”, disse ele. “Eu acredito que foi um erro nos punir assim”.

Para Manuel, a recepção dos cubanos e a possibilidade de conhecê-los foi uma vantagem.
Ele disse que o povo brinca que, quando alguém deixava o país, diriam: “Lola, traidor”. Mas agora eles dizem: “Lola, traga dólares”.

Manuel disse que não acredita que o retorno dos cubanos levará a mudanças imediatas, mas ele vê isso como uma oportunidade para os habitantes da ilha aprenderem sobre a vida de outros que moram no exterior.

“Isso levanta uma pergunta: Por que todas as pessoas que vão para o exterior vivem melhor?”, Disse ele.

Os cubanos que retornam também recuperam o direito de voto, concluiu Manuel, e podem ter uma voz quando a mudança política for possível.

Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui.

Clique aqui e assine nosso canal no youtube

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!