Joaquim Barbosa veste Prada

Nosso parisiense
Nosso parisiense

E ficamos sabendo pela revista da qual Joaquim Barbosa é ídolo que, mesmo na Europa, ele acompanha tudo que se fala a seu respeito.

Pela Veja, ele mandou uma resposta ao advogado de João Paulo Cunha, que numa boa tirada dissera que ele fora dar um rolezinho em Paris.

JB disse que o advogado foi “desrespeitoso e preconceituoso”. Acusou-o de provincianismo por ignorar que “há 35 anos” frequenta a cidade.

Temos então que JB se considera um parisiense, ou quase. E parece acreditar que todos devem saber disso.

Não existe nada mais provinciano do que se gabar de ser um semiparisiense, ou coisa que o valha.

Mas JB parece gostar de projetar nos outros o que vê no espelho. Um artista no ofício de desrespeitar, ele acusou o advogado de ser desrespeitoso.

Isso no mesmo dia em que desrespeitou colegas de STF ao dizer que eles deveriam ter mandado prender Cunha. Transferiu, sem a menor cerimônia, um gesto seu de incompetência e desmazelo – esqueceu de assinar a prisão de Cunha — para os outros.

A impressão que se tem é que JB acreditou na adulação da mídia, por incrível que pareça, e se considera mesmo o menino pobre que mudou o Brasil.

A verdade é que ele não mudou sequer o Supremo, que sob sua presidência mais parece um circo do que um tribunal, mas mesmo assim ele transmite a impressão de se ter na conta de um transformador, de um inovador.

Quem acredita nisso acredita em tudo, como disse Wellington. E o fato é que JB parece acreditar, o que mostra sua envergadura intelectual.

A melhor imagem do rolezinho parisiense de JB foi uma foto que viralizou na internet sob o título de “O Diabo Veste Prada”.

Nela, nosso magistrado aparece não numa das celebradas livrarias parisienses, não num dos tão conhecidos debates filosóficos de Paris – mas fazendo compras numa loja com artigos da Prada, com um chapéu que lhe dá o ar de um parisiense refinado, e não de um turista ávido por torrar euros.

Também pela revista que o idolatra, descobrimos que alguém lhe perguntou em Paris se seria candidato à presidência em 2014. Melhor: ele disse a alguém da Veja que lhe perguntaram isso.

Bem, seria até engraçado ver JB enfrentar o teste das urnas e dos debates, em que ficaria exposto a questionamentos sobre tantos absurdos que comete, dos 90 mil reais da reforma dos banheiros do apartamento funcional às diárias embolsadas durante as férias na Europa.

Mas ele não tem votos senão num grupo conservador que não tem conseguido eleger sequer prefeito em São Paulo.

É mais fácil imaginá-lo, no futuro, dando novos rolezinhos na Europa.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!

70 COMMENTS

  1. O advogado do João Paulo Cunha foi muito comedido, outro indivíduo mais indignado com o comportamento do Quinzão, mencionaria que nesta altura do campeonato, o juiz do julgamento da AP 470 deveria estar mais preocupado em desfazer as atrocidades jurídicas que cometeu para não incorrer em crime grave.

  2. “Temos então que JB se considera um parisiense, ou quase.” JB parece um caso patológico de carência de auto afirmação. Esse comportamento de deslumbramento é típico desse comportamento aparentemente presunçoso. Vejam o que ele declarou em entrevista a Miriam Leitão quando perguntado qual o partido que melhor representa o seu pensamento:

    “Eu sou um homem seguramente de inclinação social democrata à europeia.”

    http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2013/07/28/joaquim-barbosa-brasil-nao-esta-preparado-para-um-presidente-negro-504975.asp

    QUI CHIQUE!!!!

    O decano jornalista Raimundo Pereira da revista Retratos do Brasil disse no Roda Viva durante a entrevista do jurista Miguel Reale Junior que o JB ao ameaçar os blogueiros que o criticam acusou-os de mercenários supostamente pagos para criticá-lo. Usou uma expressão em francês que significa (mais ou menos) “penas de aluguel”.

  3. Luiz: com todo o respeito, tendencioso é vc.
    Vc mostra uma enorme influência de coisas como a Veja e a Globo.
    Sobre mim, ser independente não significa abdicar de opinião, e a minha sobre JB é a pior possível.
    E é tão pavão que se tivesse ido a uma livraria daria um jeito de ser fotografado.

  4. Luiz, você mora no Brasil? Tem certeza? JB foi com diárias pagas pelo STF (contribuinte) supostamente à serviço, mas sorrateiro, adiantou suas férias e está dando rolezinho às suas custas.

    • Olha ele pode gastar o dinheiro dele onde bem entender, quando vamos passar dias em uma cidade a serviço não significa trabalhar 24h.

      • mas não significa que ele possa gastar dinheiro público, sim, porque ele está de férias, cobrando o erário para fazer “palestras”. estamos vendo que tipo de palestras ele está fazendo. simplista e tendencioso é o seu olhar para o novo salvador da pátria, bem do estilo daquele que tenho certeza que você de forma simplista e tendenciosa colocou no planalto. ah, tenha a santa paciência. apoiar rolezinho na prada tudo bem. como vocês são simplórios. isso sim!

  5. Eu não sei porque isso ainda pode surpreender algumas pessoas. Esse tipo de comportamento é típico de um jacú. O sujeito vai a Paris (uma cidade lindíssima, mas que fede pra cacête) algumas vezes e já se acha parisiense…Nada mais jacú.
    Obs. Agora até entendo de onde vem a inspiração para a falta de educação dele.

  6. O simples fato de um funcionário público de escalão intermediário, só recentemente guindado ao superior, “frequentar a cidade há trinta e cinco anos” já chamaria a atenção de qualquer jornalista sem “aspas”. Quanto ao outro viajante, se ninguém fala nada, como você soube, através de Mãe Dinah?

    • Eu acho Edemar que o problema é ele viajar e de lá ficar criticando os colegas pela imprensa. O problema é ele estar de férias e viajar com diárias do Supremo. É isso que Paulo Nogueira e todos os brasileiros conscientes não gostam, não aceitam.
      Sou servidora pública e minhas diárias tem que ser justificadas sob pena de eu responder junto ao Tribunal de Contas, eu ou qualquer outro servidor público do Brasil.
      E o maior problema foi como ele conduziu o processo do mensalão, sem falar na perseguição a um homem doente, uma tortura.
      Outra coisa.Paulo Nogueira tem esse espaço. Nele ele escreve o que quer, o que lhe der na cabeça. Quem não aceita a linha editorial do DCM não participe das discussões.Faça como eu faço: tem blogs que só leio, não participo, e tem outros que tem entro para não me contaminar com o esgoto a céu aberto.
      Paulo, o post é muito pertinente. Gostei demais. Um abraço.

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkk perfeito. pela Mãe Dinah. muito bom! é bem por aí. ele certamente é parte daquele grupo que acredita no “eles”. sabe? eles dizem, foi dito, soube. tudo assim: bem vago!

  7. [AINDA SOBRE ‘O DIABO VESTE PRADA’!]

    ###############

    O inquérito 2474 derruba as teses do mensalão

    Enviado por Miguel do Rosário on 24/01/2014 – 4:35 am

    Destrinchando a parte 1 do Inquérito 2474

    Matutando sobre a razão pela qual Joaquim Barbosa manteve o Inquériot 2474 sob segredo de justiça, não o revelando nem a seus pares nem à imprensa, cheguei a algumas suspeitas.
    (…)

    Em
    http://www.ocafezinho.com/2014/01/24/o-inquerito-2474-derruba-as-teses-do-mensalao/#sthash.blwzVw12.dpuf

  8. é, isso mesmo. grite. gente como vocês, que ignoram os fatos, que são tele-guiadas por formadores de opinião tem que gritar mesmo. depois, quando a verdade vier à tona, vai negar te-lo apoiado, como tenho certeza que negou ter votado no collor. grite, grite mesmo. este é o tom dos que não pensam.

  9. um viaja em jatinhos particulares de amigos, conforme o seu exemplo (sem fontes). atenção para o adjetivo: particular. que pertence a um só dono, próprio de certas pessoas.
    o outro usa dinheiro público para viajar, conforme os fatos (com fontes e fotos). atenção máxima ao adjetivo: público. ou seja algo pertencente à população, ao povo. para usar uma retóirica conhecida sua: “dinheiro meu, seu, nosso”. entendeu agora ou preciso desenhar?

      • Paulo, não sei se está havendo algum problema aqui ou aí, mas a postagem “Joaquim Barbosa Veste Prada” parece estar duplicada. Quando acesso uma, o número de comentários é um; quando acesso outra, o número de comentários é outro – e alguns comentários que aparecem em uma não aparecem na outra. Deu para entender? Desculpe se o comentário estiver confuso.

      • Legal, Paulo! É que estou lendo o livro e mal consigo acreditar na esculhambação que são o nosso judiciário e a imprensa nacional. Muito indignado! E justamente estes dois órgãos fomentam na população a ideia de que os representantes do povo compõem o pior dentre os poderes. Eles que ajudam a espalhar a ideia de que bom para o Brasil seria ‘explodir Brasília’. Ora, quem implode parlamentos são as ditaduras.

        • E pensar, Gil, que estao querendo proibir a transmissao vivo das sessoes do STF, proposta de parlamentar do PT.., tsc tsc tsc

  10. ou seja: o verdadeiro e puro jornalismo não é baseado em fatos, mas o propagador das suas ideias e ideais para o povinho brasileiro, do qual você não faz parte, claro .” tá serto!”

      • amei! é mesmo, eu ando com pouca paciência. mas é porque os tempos estão muito bicudos.
        vc é uma figura! desgraça geral da nação. D. Joaquim 171. kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  11. Um momento: vc me chamou de ‘tendencioso’. É sim um ataque.
    Se não me engano, me tratou tb como ‘jornalista’.
    Quer defender o JB? Defenda, sem problemas. Mas sem atacar os outros.

  12. querido, vc é tão confuso, tão confuso, que se perde numa tarefa simples, fácil, como a de postar um comentário. é assim ó: pra responder ao luiz, vc tem que clicar embaixo do comentário dele. assim ele será avisado que vc quer debater com ele. tente de novo, acho que vc consegue. vá, se esforce. tente fazer algo que sei que é difícil para vc: pensar. mas não desista!
    aproveitando o ensejo, criativo você, não? o comentarista de uma nota só. que mente brilhante! uma coisa mesmo.

    • Havia postado no local certo como sempre num comentario de uma nota so, respondi perguntando quem era o meliante ao qual “seu” evaldo referia-se, resolveu entao consertar o original para provar ser capaz de executar a escala toda e atrapalhou-se, postou no lugar mais inadequado impossivel, rsss Meu comentario sumiu. Afinal de cts a quem adjetiva como meliante? Seja qual for a resposta deve ser pessoa probissima, pois o sujeito em questao somente elogia os verdadeiros meliantes, refletido no espelho, talvez……Rsss

      • sayuri, é triste a confusão mental dessa gente. mas nós já sabemos. como jesus cristo temos que pedir ao pai que os perdoe, pois eles não sabem o que dizem e o que fazem. kkkkkkkkk boa noite, querida.

  13. Em palestra que proferiu na França, presidente do STF, Joaquim Barbosa disse que a superexposição dos ministros durante as transmissões ao vivo de julgamentos contamina a corte; ele afirmou que o fenômeno da superexposição “repercute na maneira como certos ministros deliberam e sobre o conteúdo de algumas decisões”; contraditoriamente, presidente do STF foi e é o maior beneficiado pela superexposição durante o julgamento da Ação Penal 470, que o projetou, inclusive, para uma possível entrada nas disputas político-eleitorais.

    http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/128107/Midi%C3%A1tico-Barbosa-agora-diz-que-m%C3%ADdia-atrapalha.htm

    Diaboéisso, gente?

    Samba do cri… doido.

  14. Dennys, com licença, respeito a sua ideia, mas me permita duas observações:
    A demonização generalizada da política e dos políticos, também é uma forma política de se expressar. E creio não ser uma forma adequada. Se a atividade pública não for exercida pelos políticos legitimados pela representação popular, vão se impor oportunistas, normalmente sem compromissos com a sociedade. Vão fazer o que estiver na cabeça deles. Como em 1964.
    Segundo, foi apresentado no seu texto, um elenco do que deveria ser dito e não está sendo dito pelo verdadeiro e puro jornalismo brasileiro. Se a sua ideia for representativa de um grupo considerável de cidadãos, que tal criar um jornal, um blog, para levar as notícias dentro de sua concepção como esclarecedora para esse ‘povinho brasileiro’. Ou quem sabe participar de associações, de partidos, candidatar-se, para ser eleito, democraticamente. Esse é um caminho para obter a autoridade de representação e lutar por essas ideias.

  15. querido, opinião contrária se discute com argumentos. o sr. luiz atacou o paulo, a profissão e a casa dele. ou seja, foi extremamente inconveniente. quando vieram as respostas, não aguentou e ficou cheio de mimimi.

    quanto ao JB, bem, você há de convir que os argumentos da grande maioria em favor dele reverbera os dos jornalões e os da Veja, até mesmo no vocabulário podemos identificar a influência, logo vira uma certeza.

    agora mesmo, nesse seu comentário, vc chama quem discorda dos seus pontos de vista de militância. militância de quê exatamente? para quem? eu não sou militante de partido algum, e detesto esse homenzinho que se acha acima da lei. no entanto, vc impinge a mim – já que sou parte desse grupo – um rótulo que é típico dos colunistas da Veja, portanto isso me leva a pensar que vc tb seja influenciado por este veiculo. posso estar errada, mas é o que parece. e a linguagem é algo muito revelador.

    sobre os boxeadores: eles quiseram voltar, segundo várias matérias. quem saiu com essa história que eles foram deportados foi a Veja, mais uma vez ela.

    para vc ver como não estou inventando, seguem abaixo links de uma matérias da folha, ou seja de um jornalão mesmo, do presidente da OAB na época (esta é bem elucidativa) e da agência Brasil, onde o procurador afirma que eles queriam voltar:

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1108200710.htm

    http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2007-08-09/procurador-avalia-que-deportacao-foi-pouco-transparente-mas-atletas-queriam-volta-cuba

    http://blogdomello.blogspot.com.br/2007/08/presidente-da-oabrj-afirma-que.html

    então patético é ficar repetindo uma invenção da Veja.

  16. De fato, concordo plenamente contigo que ideias próximas, na mesma linha, não constituem réplicas. fato. no entanto, quando se verifica que as ideias repercutem os mesmos argumentos e o mesmo vocabulário é mais do que justo acusa-las de cópias.
    sabe quando um grupo é interrogado sobre a mesma cena e todos dão versões parecidas do fato? fica estabelecido que todos viram a mesma cena e através das similitudes pode-se formar uma ideia verdadeira da situação.
    todavia, sabe quando um grupo dá a mesma versão para um fato? pois é, pelo discurso similar e pelo vocabulário se percebe que provavelmente a versão foi combinada.
    quanto à minha opinião, seria super injusto e provo o porquê. se você pegar todos, repito, todos os meus posts em defesa do Genoino e do Dirceu verá que não há nenhuma menção a outros blogs, argumentos parecidos com os autores e mesmo vocabulário similar. nem poderia, pois o único blog (chapa branca?) que leio é o DCM. meus argumentos são estruturados a partir de diversas leituras, inclusive dos jornalões.

    por outro lado, quando você vir em meus posts os acrônimos GAFE ou PIB ou qq outro indício, você pode, deve, tirar a conclusão de que eu fui influenciada pelo DCM – o que não é incomum, visto que sou leitora assídua.

    Thiago, a linguagem e o discurso revelam muito. por isso que são muito estudados. então, as acusações não são disparatadas.

    sobre os boxeadores. e os fatos. bem, você quer contestar o fato de eles terem desistido de ficar no Brasil com outros fatos, os de eles terem ido para outros portos. bem, esta lógica não se sustenta mesmo. primeiro porque uma ação não anula a outra. quer dizer, o fato de eles terem fugido depois não quer dizer que eles tenham sido “devolvidos” para Cuba. já te ocorreu que eles podem ter percebido que ficar no Brasil seria uma pá de cal na carreira deles? já te ocorreu a possibilidade de eles terem tido outras ofertas através de contatos feitos no Brasil? pois é, na época mesmo, um amigo que cobre esportes ventilou essa possibilidade quando estávamos discutindo o caso.

    para mim fato é: “o procurador conversou com eles, assim como o presidente da OAB e, segundo eles, os pugilistas quiseram voltar”. isto é um fato até que se prove o contrário. assim como é um fato que eles fugiram depois. agora, especulação é a insistência em dizer que o Brasil os “devolveu”para Cuba. isso é pura especulação e nunca um fato. logo contesto sim e sempre. até que me provem o contrário com fatos irrefutáveis e não gritaria.

  17. Andressa: vc acha certo ele ser o queridinho dos barões? Vc acha que esse amor todo pelo JB é desinteressado? Ora, olhe a lista dos brasileiros mais ricos antes de achar que os barões estão a serviço de inocentes úteis como vc.

  18. Thiago, você está entendendo as coisas de maneira errada.
    primeiro, eu não o estou julgando. pelo contrário, estou apenas defendendo o grupo de pessoas que vc acusou ser leviano e, claro, como vc usou um termo pejorativo que é geralmente cunhado pelo RA, peguei esse detalhe como defesa. mas, de fato, eu nunca li seus comentários e não sei mesmo se vc é ou não é um leitor desses veículos.
    mas chamar as pessoas que pensam de maneira # de “militância” é brabo.
    o segundo ponto que vc leu erroneamente foi sobre o que eu disse ser um fato no caso dos boxeadores: para mim é um fato ter havido a conversa do procurador e o do presidente da OAB com eles. isso é um fato. os dois deram a mesma versão sobre a conversa. outro fato. sobre a versão ser verdadeira, aí são outros 500. mas, num tribunal, duas testemunhas, com a mesma versão, configura prova. por isso, tendo a acreditar, mas com um pé atrás.
    realmente, foi estranha a volta deles. mas acredito mesmo no que meu amigo falou na época, que eles estavam fazendo contatos para outras paradas melhores. como aconteceu. aqui seria ruim para eles. essa história de que eles foram devolvidos é pura teoria de conspiração. e eu não acredito nessas coisas. mesmo.
    essa é a nossa diferença, vc acha que é certo uma pessoa ser presa mediante a palavra de um procurador -alguém cujo trabalho é incriminar pessoas. eu acho que deve ser mediante provas irrefutáveis. ponto. por isso, sou contra o que aconteceu na AP 470.
    quando o Elias Maluco foi preso no Rio ficou alguns anos preso sem provas reais, e, por causa disso, foi solto. todo mundo ficou contra o desembargador. eu o defendi, mesmo sabendo que o cara era o que era. mas não se pode prender ou manter qq um preso na base do disse-me-disse.
    quanto ao JB, a vida pessoal dele não me importa, mas me importa o fato de ele estar gastando dinheiro público num périplo ao exterior. todo mundo sabe que quando há um convite para palestras a universidade paga tudo, passagem, comida e estadia. logo, ele, como sempre, está agindo de má-fé.
    vocês defendem esse cara, mas são implacáveis com cinco mil dólares na cueca, como deve ser mesmo. porém dois pesos e duas medidas não. isso não.

  19. aaahhh e por ele ser negro não pode ser criticado. é isso? dá nojo essa defesa a uma pessoa que é um déspota, que se julga acima da lei e que se sente no direito de usar do poder para ganho pessoal, como vem fazendo. isso sim dá nojo, muito nojo. ah, e não venha jogar a carta do racismo em cima de mim porque comigo não cola.

  20. Nas urnas ele se sairia bem, embora mal como presidente. Por outro lado, é vero que Lula também gosta de um rolezinho internacional. De resto, a mania de atacar pessoas públicas por suas opções privadas.

    • mas o lula não está usando dinheiro público, esse homenzinho está. daí passa a ser um problema público. vocês e os dois pesos e duas medidas.

      • Lulu, é impossível afirmar que ele está gastando dinheiro público em sua viagem, por mais que se tente. É possível e certo afirmar que ele esteja gastando dinheiro..já que nada na Prada é baratinho…

        • bom dia. vamos lá, ele pediu e recebeu cerca de R$ 14 mil reais pra fazer essa viagem, logo pode-se afirmar com tranquilidade e certeza que o dinheiro que ele está usando é público. se ele não tivesse recebido essa grana, ele poderia ir a Prada ou a M. eu não estaria bem aí. nesse caso não, marcelo. vocês e os dois pesos e as duas medidas, eu não aguento.

        • Marcel, JB recebeu diarias do STF por conta de palestras proferidas em Paris e Londres. Acontece que as tais palestras coincidem com as feris dele. Logo, nao ppderia ter recebido diarias como se em exercicio estivesse.

  21. AINDA SOBRE AS ESTRIPULIAS DO DIABO QUE VESTE PRADA! II

    [HENRIQUE PIZZOLATO É O NOSSO DREYFUS DO SÉCULO XXI! ENTENDA

    [MAIS] ESTE HEDIONDO CRIME JURÍDICO!]

    ####################

    Há outro ponto do relatório que derruba um dos pilares da acusação: posicionar um petista no centro do núcleo financeiro do esquema.

    Apesar de o delegado Zampronha revelar, em alguns trechos do relatório, o desejo de incriminar o diretor de marketing, Pizzolato, o único petista ocupando um cargo de diretoria no Banco do Brasil, o documento não traz nenhuma prova contra ele; ao contrário, menciona repetidamente o Laudo 2828, que afirma que outros servidores, e não Pizzolato, eram os responsáveis pelos recursos do Fundo Visanet.
    (…)
    A partir da página 53, Zampronha começa a falar dos anos de 2003 e 2004. Aí, em minha opinião, comete outra grande “impropriedade” para os objetivos da procuradoria e de Joaquim Barbosa. Talvez esta seja a explicação principal para Barbosa ter mantido o documento em segredo.
    A “impropriedade” é informar, com todas as letras, o nome dos servidores que assinam os repasses financeiros para a DNA nos anos de 2003 e 2004. Entre eles, não consta, em nenhum momento, Henrique Pizzolato, o único petista na cúpula do BB.
    O primeiro grande depósito do Fundo Visanet
    na conta da DNA, no valor de R$ 23,3 milhões, feito em 08 de maio de 2003, traz
    as assinaturas de Léo Batista dos Santos e Douglas Macedo. Em novembro do mesmo ano, outro grande depósito, desta vez de R$ 6,4 milhões, traz a assinatura de Douglas Macedo. Nada de Pizzolato. É óbvio que esse relatório tinha que ser mantido em segredo: nem Léo nem Douglas são petistas; ambos vinham da gestão anterior e não tinham ligação nenhuma com o então novo governo Lula.
    [Página 54]
    Quando a DNA apresenta a sua planilha, com os fornecedores que receberam os recursos oriundos da Visanet, apenas em 2003, veja quem aparece no topo da lista: TV Globo, que recebeu R$ 3,39 milhões; e Tom Brasil, a empresa para a qual o filho de Joaquim Barbosa prestou serviços em 2010. Hoje o filho de Barbosa é empregado da Globo.

    Por jornalista Miguel do Rosário

    http://www.ocafezinho.com/2014/01/24/o-inquerito-2474-derruba-as-teses-do-mensalao/

  22. [O jornalista *Paulo Nogueira irá adorar o texto abaixo!
    *’O Mestre dos Textos Refinados’ – e apaixonado pela civilidade escandinava!]

    Esclarecimentos sobre a Direita Miami

    Postado por *Juremir Machado – historiador e jornalista

    em 25 de janeiro de 2014

    O mais comum é que cada personagem não tenha consciência da sua personalidade. O Brasil vem sendo dominado, na classe média e na mídia, por um tipo muito especial, o lacerdinha, representante da direita Miami.
    É um pessoal que se acha sem ideologia, pois, para o lacerdinha autêntico, ideologia é coisa de esquerdista comedor de criancinha. A direita Miami acredita que todo esquerdista é comunista de carteirinha e que sonha com uma sociedade no modelo da Coreia da Norte.
    O ideal da direita Miami é comer hambúrguer na Flórida, visitar a Disney todos os anos, ler a Veja, ver BBB, copiar e colar artigos de colunistas que falam todo dia da ameaça vermelha – e não é o Internacional nem o América do Rio -, esbaldar-se em shoppings sem rolezinhos, salvo de patricinhas e mauricinhos, e denunciar programas governamentais, exceto de isenções de impostos para ricos, como esmolas perigosas e inúteis.
    A direita Miami tem uma maneira curiosa de raciocinar.
    – Se você é esquerdista, por que vai à Europa?
    – Não entendi a relação – balbucia o ingênuo.
    – Se você é esquerdista, por que tem plano de saúde?
    A direita Miami contabiliza as mortes produzidas pelo comunismo, no que tem razão, mas jamais pensa nas mortes produzidas pelo capitalismo no passado e no presente. Mortes por fome, falta de condições sanitárias e doenças evitáveis não impressionam os lacerdinhas. Não parece possível à direita Miami que se possa recusar o comunismo e o capitalismo brasileiro. A social-democracia escandinava, por exemplo, não chama atenção dos sacoleiros de Miami. É uma turma que quer muito Estado para si e pouco para os outros. De preferência, muito Estado para impedir greves, estimular isenções fiscais para grandes empresas e reprimir movimentos sociais.
    O mais curioso na direita Miami é que, embora defenda o Estado mínimo na economia, salvo se for a seu favor, gosta de Estado robusto em questões morais como consumo de drogas e de sexualidade, aquelas que, mesmo criticando, costuma praticar e exigir tratamento diferenciado quando o Estado flagra algum dos dela em conflito com a lei. A direita Miami fala ao celular, dirigindo, sobre a sensação de impunidade no Brasil e, se multada, denuncia imediatamente a indústria da multa.
    A direita Miami é contra cotas, Bolsa-Família, ProUni e todos esses programas que chama de assistencialistas e eleitoreiros. Vive de olho no impostômetro e, para não colaborar com a excessiva arrecadação dos governos, faz o que pode para sonegar o que deve ao fisco. Roubar do Estado que gasta mal parece-lhe um dever moral superior.
    Um imperativo categórico.
    A direita Miami vive denunciando Che Guevara, mas nunca fala de Pinochet. Se dá uma melhorada na economia dos camarotes, pode torturar e matar. As vítimas são esquerdistas mesmo. A direita Miami adora metrô em Paris, quando vai até lá, apesar de achar que tem muito museu chato e pouco shopping bacana, mas é contra estação de metrô no seu bairro. Tem medo que atraia “marginais”. A última moda da direita Miami é o sertanejo universitário. Quanto mais a tecnologia evolui, mas a direita Miami se torna primária. O que lhe falta, resolve com silicone.

    *Juremir Machado da Silva, nascido em 29 de janeiro de 1962, em Santana do Livramento, graduou-se em História (bacharelado e licenciatura) e em Jornalismo pela PUCRS, onde também fez Especialização em Estilos Jornalísticos. Passou pela Faculdade de Direito da UFRGS, onde também chegou a cursar os créditos do mestrado em Antropologia. Obteve o Diploma de Estudos Aprofundados e o Doutorado em Sociologia na Universidade Paris V, Sorbonne, onde também fez pós-doutorado. Como jornalista, foi correspondente internacional de Zero Hora em Paris, trabalhou na IstoÉ e colaborou com a Folha de S. Paulo. Atua como colunista do Correio do Povo desde o ano 2000. Tem 27 livros individuais publicados, entre os quais Getúlio, 1930, águas da revolução, Solo, Vozes da Legalidade e História regional da infâmia, o destino dos negros farrapos e outras iniquidades brasileiras. Coordena o Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUCRS. Apresenta diariamente, ao lado de Taline Oppitz, o programa Esfera Pública, das 13 às 14 horas, na Rádio Guaíba.

    FONTE: http://www.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/?p=5553

  23. Fico imaginando se o Joaquim Barbosa se candidata… Pior, se ele ganha… O que vai ter de dor de cotovelo aqui vai ser hilário.

Comments are closed.