“A CBF é uma vergonha”: por que Emerson Sheik mitou

 

Talvez a motivação tenha suas variantes, talvez ele devesse respirar — mas Emerson Sheik, do Botafogo, fez o que todo torcedor tem feito e o que seus colegas não têm coragem de fazer.

Sheik havia sido expulso depois de receber o segundo cartão amarelo. Fora do gramado, ficou em frente a uma câmera de televisão e mandou bala: “CBF, você é uma vergonha! Vergonha! Vergonha! Vergonha!”

Um desabafo rotundo, na cara do espectador, na cara da entidade que controla o esporte.

Não é a primeira vez, e não será a última, em que jogadores causam confusão. No caso de Sheik, transcendeu os problemas com o juiz e foi com endereço certo. Como o goleiro Aranha, do Santos, soube se utilizar da TV para registrar seu protesto.

Mitou.

Carlos Eugênio Lopes, o diretor jurídico da CBF, já avisou que ele será “julgado por injúria”. Aproveitou para desqualificá-lo: “Vindo de quem vem, partindo de quem partiu, isso não deve ser nem levado em consideração. Acho que a vida dele não é exemplar”.

Ora, o que a vida dele tem com isso? A vida de quem é exemplar? Do Marín? Dos membros do STJD?

O comentarista Caio Ribeiro saiu em defesa de seus patrocinadores. Indagado pelo narrador Cléber Machado se concordava com a atitude de Sheik, saiu-se com o seguinte: “Não, principalmente no calor da partida. Precisa ter respeito à hierarquia”.

É ingenuidade esperar de Caio qualquer ideia original ou crítica ao estado das coisas porque, afinal, isso é criticar sua emissora indiretamente. Ele pode ser um comentarista anódino e um coxinha de quatro costados, mas não é inteiramente bobo.

Agora, defender que o atacante precisava ter “respeito à hierarquia” significa o quê? Hierarquia onde? Devia encaminhar um requerimento em três vias, assinado pelo departamento pessoal do Botafogo, e aguardar uma audiência?

Recentemente, após uma vitória sobre o Ceará por 4 a 3, Sheik já havia pedido “vergonha na cara” para a CBF. É encrenqueiro. Discute constantemente com os árbitros. Será punido. Não que faça diferença. Já está no fim da carreira, tem dinheiro e vive como quer.

Disse o que precisava ser dito. E, ao contrário do que pensam os Caios, ninguém precisa de autorização dos donos da bola para isso.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!