A cobertura homicida dos protestos de SP feita pela Veja

Os manifestantes são chamados de ‘terroristas’, ‘vândalos’ e ‘vagabundos’ —  e um artigo no site sugere passar ‘fogo neles’.

Gianca com o pai
Gianca com o pai

Por um curto período, respondi a Giancarlo Civita na Abril.

Eu era diretor superintendente das revistas masculinas da Abril, na época, começo dos anos 2000.

Gianca, hoje com 50 anos, era um chefe de cabeça muito mais arejada que a média dos comandantes da Abril.

Lembro uma vez que o alto comando da Abril ficou indignado porque a Vip, então em minha órbita, publicou um artigo de humor sobre como montar uma suruba.

Era um artigo que não ‘cabia’ na arvorezinha da Abril, conforme se falava naqueles dias quando aparecia algum texto que fugisse do convencional.

Os queixumes chegaram a mim, e fui conversar com Gianca. Ele riu.

Tinha mente aberta: como seu irmão caçula, Titi, chefiara a MTV, muito mais liberal em costumes que a Abril.

Fiz esse introito porque me pergunto se Gianca e Titi concordam com a cobertura que a Veja vem dando em seu site às manifestações de protestos de jovens paulistanos.

É uma cobertura odiosa e que incita à violência policial ao se referir aos manifestantes como ‘terroristas’, ‘baderneiros’, ‘vândalos’, ‘vagabundos’ e ‘remelentos’.

O tom remete ao do promotor Rogério Zagallo, que disse que se a tropa de choque atirasse nas pessoas que o prendiam no trânsito ele trataria de arquivar o inquérito em sua jurisdição.

Não vou entrar no mérito da desconexão com a sociedade: como mostra o Datafolha, a maioria expressiva dos paulistanos apoia os protestos mesmo enfrentando, eventualmente, algum transtorno pessoal, como um trânsito parado.

Não vou me deter nessa desconexão, repito, embora todos saibamos quanto faz mal a uma publicação ir tão acintosamente contra um movimento a que as pessoas são favoráveis.

(Lembremos quanto a Folha lucrou ao apoiar o movimento Diretas Já, e quanto a Globo ficou manchada em sua reputação por ignorá-lo.)

Vou me limitar à cobertura escabrosa, em si.

Titi é agora a voz da Abril
Titi é agora a voz da Abril

É o triunfo da ignorância radical, do conservadorismo desvairado, do reacionarismo enraivecido e da violência jornalística.

Gianca, hoje no lugar do pai como presidente, lê isso? E Titi, como responsável pela voz da casa?

Por textos nesse tom destrutivo a Veja acabou se tornando, como notou a Forbes ao falar da morte de Roberto Civita, uma das publicações mais odiadas do Brasil.

É incrível, mas até os anos 1990 a Veja era uma revista intensamente admirada.

Perdeu o pé com a entrada de Lula. Isso já foi falado no Diário algumas vezes. A perda de pé estava ligada a Roberto Civita. Ele se tornou obcecado com Lula num grau que o fez transformar o que fora uma grande revista num panfleto desprezível.

A questão é que a revista já está sob nova administração, a de Gianca e Titi.

Vai continuar do mesmo jeito?

O ódio extremo jorra do blog de Reinaldo Azevedo, uma aberração. Os adjetivos que usei alguns parágrados atrás estão todos em seu blog.

Já seria um problema, em si. Mas a coisa ganha ainda mais dimensão pela influência sinistra que Azevedo exerce sobre os outros dois blogueiros da Veja, Augusto Nunes e Ricardo Setti. Ambos, num comportamento de manada, basicamente reforçam o que Azevedo escreve.

Setti reproduziu em seu blog um artigo do publicitário Neil Ferreira que manda dar ‘fogo neles’, os manifestantes.

“São Paulo está sob intenso ataque, numa guerra suja e covarde, que a mídia assustada chama de ‘Protesto’”, diz o artigo (?) copiado e colado por Setti. “Protesto uma pinoia: terrorismo.”

Vamos entender.

Se a percepção de “terrorismo” se consagra – o que não vai acontecer, felizmente – estará justificado o assassinato dos manifestantes.

Não acredito que o jovial Gianca, a quem respondi por algum tempo, compartilhe ideias tão selvagens, tão perigosas, tão direitistas – e que além do mais são tão amplamente rejeitadas pelas pessoas.

Também não acredito que Titi concorde com tanta brutalidade jornalística.

Mas eles, os herdeiros do pai, estão assinando, indiretamente, essas barbaridades.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!