As confissões de um espião cubano

Libertado depois de 14 anos de cadeia nos Estados Unidos, René González fala de seu trabalho de espionagem.

René González
René González

 

Publicado na BBC Mundo.

O FBI desmontou uma rede de espionagem cubana para monitorar grupos anticastristas de Miami. Vários deles negociaram com os promotores e reduziram suas sentenças, mas cinco agentes (conhecidos como “os cinco de Cuba”) se recusaram e tiveram as condenações mais duras, inclusive prisão perpétua.

Um desses cinco cubanos foi o piloto René González, recentemente libertado de prisões dos Estados Unidos, depois de 14 anos.

González concordou em falar com a BBC Mundo sobre a sua vida como agente.

Por que aceitou ir para os EUA espionar?

Eu sou um cubano de uma minha geração que cresceu sob a ameaça de terrorismo contra Cuba. Lembro-me de seqüestros de pescadores, muitas vezes assassinados por grupos terroristas de Miami. Eu estava entre o milhão de pessoas que se despediram dos restos mortais dos mártires de Barbados, quando o avião da Cubana foi abatido (em 6 de outubro de 1976, uma explosão destruiu um avião da Cubana de Aviación em que viajavam 73 pessoas a partir de Barbados; todos morreram). Então, quando me pediram para fazer isso, eu não hesitei, eu senti que era meu dever como um patriota.

É ético espionar em outro país?

Eu acredito que é ético para se defender quando se é atacado e isso é o que eu fui fazer. Fomos atacados pela maior potência do mundo por muitos anos e temos o direito de nos defender, desde que você não prejudique o povo americano. Nós, de modo algum, fizemos mal a ninguém lá, só exercemos o direito de autodefesa.

Quando se tem essa vida dupla, é comum também conhecer gente de bem. Achou que os estava traindo?

O fator humano está envolvido em todos estes grupos. São pessoas boas que acreditam no que estão fazendo, que são manipuladas e têm seus preconceitos. Reconhecem quem tem qualidades humanas e quem não as tem. Você percebe que muitas dessas pessoas, em outras circunstâncias, teriam permanecido conosco e você as trata com o amor que elas merecem.

Eu não quero citar ninguém para não prejudicá-los, mas eu conheço pessoas que eram oficiais do exército de Batista, mais velhos agora, que me encaram como um filho e eu os encaro como pais.

Que tipo de informação vocês procuravam, porque alguns de vocês trabalhavam em uma base militar?

Havia um rapaz que estava em uma base. Ele compilou toda a informação pública da base de Key West porque a base pode ser um ponto de partida para um possível ataque a Cuba.

E quanto aos outros, o que eles fizeram?

Gerardo (Hernández, um dos cinco oficiais que se recusaram a negociar em 1998) foi quem coordenou as atividades. Eu particularmente estava infiltrado em vários grupos, como Hermanos al Rescate, en Democracia, en Comando de Liberación Unido, entre outros. Eu passei por vários grupos e precisa de um pequeno avião, e um motorista.

Falando apenas de Hermanos al Rescate, Gerardo acusa você da morte de quatro pilotos.

Não tínhamos nada a fazer. Gerardo, mesmo que eles não possam ser acusados ​​de homicídio, mas de conspirar para matar, ou seja, em combinação com os outros – neste caso, o governo de Cuba, seria a morte ilegal de uma pessoa de fora de Cuba; nada disso se pode comprovar.

Então, por que esse rigor na sentença?

Ela vai além da justiça, é a crueldade contra Cuba, eu diria que é vingança por toda a resistência de Cuba. A obsessão do governo dos EUA levou a políticas irracionais nos últimos 50 anos.

As frases são uma decisão irracional, que responde à subordinação do Ministério Público em relação aos terroristas que controlam o FBI em Miami. O próprio chefe se gabou de andar com esses elementos.

Se é assim, por que o governo cubano deu ao FBI a informação que causou a sua captura?

(O escritor colombiano Gabriel) Garcia Márquez foi o canal através do qual dois agentes do FBI fossem convidados, em 1998, a cooperar na luta contra o terrorismo. Receberam uma pasta de provas. Mas a informação dada Cuba lhes deu não causou nossa captura; há evidências de que eles estavam nos investigando.

Também acho que, eticamente falando, a luta contra o terrorismo deve unir os dois governos para além das diferenças ideológicas e eu concordo em colaborar com qualquer governo.

Por que não trocaram vocês com outros espiões, como fizeram com os espiões russos?

Wayne Smith, que foi um dos embaixadores dos EUA, disse que Cuba desperta no governo dos EUA a mesma reação que a lua cheia num lobisomem.

Cuba rompeu um esquema de domínio continental que, até o triunfo da revolução, não tinha sido questionado; portanto, a raiva. Cuba é o ódio por Giron (tentativa fracassada dos cubanos de Miami de tomar o poder na ilha em 1961), pela crise de outubro (também chamada crise dos mísseis de 1962, quando os EUA descobriram que havia mísseis nucleares soviéticos na ilha).

Eles se ofereceram para negociar com você? Por que não aceitou? Outros aceitaram?

Sim, é claro. Também ofereceram um bom negócio; ofereceram a um espião uma sentença de cinco anos e uma acusação como a Antonio Guerrero (outro dos “cinco de Cuba”), caso contrário teria prisão perpétua. É muito fácil aceitar, para algumas pessoas.

Mas você tem que se humilhar quando se propõe a negociar com promotores dos EUA que dizem que, se você não cooperar, vai morrer na prisão. Você tem que decidir se está mentindo ou não.

Então, estamos falando de dois elementos muito importantes, a sua dignidade como pessoa e sua defesa de Cuba. Fomos para uma missão que poderia custar-nos a sua vida, e não uma prisão, e viemos para defender o povo cubano.

Como foi o tratamento na prisão?

Enquanto estávamos sendo processados, fomos colocados em isolamento numa unidade da prisão onde permanecemos 17 meses. Fui gravemente ferido, minha família foi muito maltratada e eu estava proibido de ver os meus filhos e ter assistência médica. Eles tentaram nos quebrar, mas tivemos bastante força moral.

Quando você sai de Miami, diminui a questão política e você é mais um prisioneiro. Também depende do nível da prisão. Gerardo está sob custódia numa prisão de nível alto, mas as prisões comuns são muito violentas e têm confrontos muito perigosos entre gangues.

Você acha justa a proposta de trocar seus companheiros por Alan Gross (americanos condenado a 15 anos de prisão sob a acusação de atividades subversivas contra o estado cubano, depois de ser preso em 2009 por distribuir tecnologia de comunicações a uma comunidade judaica )?

Eu não sei se “troca” é a palavra certa, ninguém quer usá-la, os políticos são complicados, mas acho que sim. As seis famílias poderão receber o benefício, eu não acredito em retirada unilateral de uma das duas partes, parece absurdo, mostra a sua arrogância.

Não tenho nada contra o Sr. Gross. Eu sou da opinião de que o delito político deve ter algum benefício. Eu veria com bons olhos, sobretudo, que os dois governos se entendessem e resolvessem todos os problemas que têm.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!