A conta gotas, Moro está sendo cuspido por quem o tornou ‘herói’. Por Kiko Nogueira

Pobre do país que precisa desse tipo de heróis

Moro está a caminho de voltar a ser o personagem menor que sempre foi, um cunhado de Nelson Rodrigues.

Vai sendo fritado por Jair Bolsonaro, que não se manifestou publicamente sobre o escândalo da Lava Jato e declarou um apoio envergonhado.

Bolsonaro sabe que o ministro tem um projeto de poder próprio.

Cauteloso, não sabe o que virá por aí nos vazamentos do Intercept envolvendo a nomeação do ex-juiz para o governo.

Mas é a mídia que construiu Moro que o está rifando de maneira inclemente.

A Globo ensaia uma defesa da dupla Moro e Dallagnol, mas os fatos teimam em contradizê-la. O apoio vai até a página 2. 

O Estadão, em editorial, afirma que “não foram poucas as vezes em que as suspeitas levantadas pela Lava Jato custaram o cargo a ministros de Estado, incapazes de se explicar”.

Mais: “Se Sergio Moro continuar a dizer que é normal o que evidentemente não é, sua permanência no governo vai se tornar insustentável”.

A Folha é mais dura: “Mensagens oriundas de ato ilícito mostram comportamento às raias da promiscuidade”.

“Não é forçando limites da lei que se debela a corrupção. Quando o devido processo não é estritamente seguido, só a delinquência vence”, crava.

Cedo ou tarde, Sergio Moro teria de acordar para o fato de que sua glória era passageira e que ele, assim que deixasse de ser útil, seria descartado por aqueles que o inventaram.

Vide Joaquim Barbosa.

Onde está “o menino pobre que mudou o Brasil”?

Aposentado, deu uma ou outra cacetada no PSDB, criticou o impeachment de Dilma, ensaiou uma candidatura a presidente e então desapareceu na noite.

O sistema que insuflou seu ego e lhe deu asas fez o mesmo com Moro.

O sujeito acreditou no papel que o establishment lhe deu e tentou voar até o sol.

As asas do ícaro maringaense queimaram.

Se fosse inteligente, mais do que ambicioso, teria olhado para a foto de JB e enxergado a si mesmo.

Inteligência, porém, não é o forte do Conje. Esperteza, sim. Quando se viu entregue a si mesmo, virou um ministro constrangedor.

Agora ele precisa vazar — para que entre outro em seu lugar.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!