A corrida espacial dos bilionários é o símbolo máximo da decadência capitalista. Por Luke Savage

Publicado no Jacobin

Jeff Bezos e Elon Musk, os homens mais ricos do mundo

Por Luke Savage

“Se pudermos fazer isso, imagine o que mais podemos fazer.” Essa foi a mensagem alegre de esperança e otimismo transmitida pelo mega-bilionário Richard Branson durante sua recente passagem no espaço, que não foi tão boa assim, a bordo do VSS Unity. Por razões diferentes daquelas que ele pretendia, tanto o slogan da façanha de Branson quanto as circunstâncias mais amplas que o cercam são, na verdade, um encapsulamento perfeito do real significado da missão e seu verdadeiro propósito.

Como as pessoas foram rápidas em apontar, há muito pouca novidade tecnológica, científica ou mesmo individual em jogo na atual disputa tripla entre Branson da Virgin Galactic, Elon Musk da Tesla e Jeff Bezos da Amazon (que realizou hoje o seu próprio voo).

Há cerca de vinte anos, o multimilionário Dennis Tito desembolsou US$ 20 milhões para viajar até a Estação Espacial Internacional, tornando-se o primeiro turista espacial oficial. Com apenas alguns minutos de duração, o vôo suborbital de Branson foi muito mais curto do que as quase duas horas que o cosmonauta soviético Yuri Gagarin gastou circulando a Terra em 1961. Na maioria dos sentidos que importam, então, a chamada corrida espacial dos bilionários é inócua em inovação ou no estabelecimento de algum precedente histórico.

O que é novo é a transformação do espaço em uma nova fronteira para a alta burguesia mundial: uma classe de pessoas cujas fortunas cresceram incompreensivelmente tanto que agora devem ser gastas em iates que contêm outros iates e expedições vaidosas à termosfera porque os símbolos tradicionais da opulência bilionária não são mais suficientes. Em contraste com o giro efusivamente futurista de sua assessoria de imprensa, a nova fronteira em questão é, portanto, tão mundana e terrestre quanto poderia ser – preocupada não com a democratização do espaço nem com a transcendência de nossa existência mundana, mas sim com uma versão de fantasia em escala da competição intra-capitalista genérica.

Seja qual for a sua marca, como escreve Edward Ongweso Jr do Motherboard, empreendimentos como o de Branson são principalmente um show apresentado para deslumbrar os investidores. Até certo ponto, eles também tratam de disputar contratos governamentais lucrativos – uma das grandes ironias da indústria espacial privada é que ela depende, literalmente, de bilhões de dólares em dinheiro público.

O maior impulso para a corrida espacial dos bilionários, no entanto, é indiscutivelmente um aspecto familiar para os estudiosos da desigualdade histórica. Como Musk, Branson e Bezos, os monopolistas da Idade Dourada da América fizeram suas fortunas principalmente como rentistas em vez de inovadores, tornando-se barões neofeudais da expansão da infraestrutura industrial do país e colhendo as recompensas financeiras. Por sua própria natureza, esse tipo empresa deve sempre ser vendida como uma empresa preocupada com o bem comum – o mercado crescente de telecomunicações globais e aparelhos militares aterrorizantes que hoje ocupam o lugar outrora ocupado por navios a vapor, ferrovias e redes telegráficas.

De forma mais direta, a riqueza extrema na era capitalista está, por definição, envolvida em uma luta constante e desesperada por novas fontes de legitimidade ética. Os bilionários precisam de uma razão pública para existir e, pelo menos por enquanto, possuir os contratos certos e expropriar a mais-valia ainda não é suficiente. Se, por outro lado, atividades plutocráticas – e os estilos de vida impossivelmente decadentes que as cercam – podem ser empacotadas como extensões de um projeto mais humano, melhor ainda: ilhas privadas, propriedades de luxo e fábricas exploradoras do Vale do Silício agora imitam, com toda a pompa e um sombrio propósito, Neil Armstrong dando seu primeiro passo na superfície da lua.

Enquanto as temperaturas escalam e bilhões permanecem sem vacinação por mais de um ano em uma pandemia global, a declaração de Branson foi, portanto, o símbolo máximo da decadência capitalista na era neoliberal – um pseudo publicitário futurista com todos os adereços de uma orgia primaveril no Palácio de Versalhes em 1789. Qualquer que seja sua mensagem, esforços como os de Branson dificilmente sinalizará qualquer tipo de futuro real para a humanidade no espaço (e supondo que de alguma forma o fizessem, provavelmente se pareceria muito mais com Elysium do que com Jornada nas Estrelas).

O que eles sinalizam é um futuro de desigualdade cada vez mais profunda: um no qual os barões do capital do século XXI tentam nos bajular na ilusão de que seus interesses comerciais e empreendimentos pessoais são uma extensão de um propósito social comum, e não uma disputa mesquinha por riqueza e poder. A este respeito, as palavras de Branson – proferidas com uma efervescência espumante (“Se podemos fazer isso, imagine o que mais podemos fazer”) – também podem ser lidas como uma declaração direta sobre os privilégios agora exercidos por ele e a classe dos bilionários.

No entanto, se o mundo continuar assim, em breve, o resto de nós pode não ter mais que imaginar.