A decência exige que o processo comandado por Cunha seja anulado. Por Paulo Nogueira

A 'República de Cunha' tem que ser abortada
A ‘República de Cunha’ tem que ser abortada

Suponha um jogo de futebol de extrema importância. Uma decisão de Copa do Mundo, por exemplo.

A partida é realmente esquisita. Um time pareceu absurdamente favorecido pelo juiz. Acabou derrotado.

Alguns dias depois, fica-se sabendo que o organizador fez horrores. Comprou não apenas o juiz, mas o goleiro adversário. E colocou uma fortuna nas casas de apostas para lucrar com seu crime.

O que você faz?

Há uma única saída. Você anula o resultado, ou a Copa e o futebol em si ficarão irremediavelmente desmoralizados.

É mais ou menos esse o quadro do processo de impeachment.

Como respeitar – e aceitar – o resultado do jogo armado por Eduardo Cunha na Câmara dos Deputados?

Não dá. Muito menos depois do relatório do ministro Teori Zavascki na sessão do STF que determinou o afastamento de Cunha por 11 votos a zero.

Caberá ao futuro descobrir por que Teori levou uma eternidade de quatro meses para fazer o que deveria ter feito com a urgência que o assunto impunha.

Mas não é isso que importa, na discussão que se abre a partir de agora. O que interessa é que Teori falou, enfim, e suas palavras expõem o caráter criminoso do condutor do impeachment e, por extensão, do impeachment em si.

Como acreditar num julgamento conduzido por alguém que, segundo Teori, não reúne as “mínimas condições” para presidir a Câmara? Como um sujeito com tais credenciais pode comandar um processo em que, mais que um governo, a democracia corre risco de vida?

É certo que Cunha deveria ter sido detido em seu intento de lesa pátria muito antes. Mas não foi, sabe-se lá por quê. Mas este atraso não muda a essência do drama. É Cunha que tramou o golpe. É ele que fez sua tropa de choque realizar o espetáculo grotesco daquele domingo em que bufões corruptos e cínicos votavam pelo impeachment em nome de coisas como a família quadrangular, os maçons, e pais, mães, filhos, filhas e netos.

Se Teori não tivesse engavetado o pedido de remoção de Cunha, os brasileiros teriam sido poupados de coisas repulsivas – além da paralisação do país com consequências funestas para a economia e para a vida das pessoas.

Mas, ainda que com formidável atraso, ele desengavetou, e ficou escancarado o caráter viciado, indecente do processo de impeachment.

Cunha se consagrou, nos últimos tempos, como a maior vocação corrupta da história da República. Foram tais e tantos seus crimes que mesmo aqueles que o apoiavam por estar tentando derrubar Dilma passaram a ver nele um remédio pior que a doença.

Sumiram frases como “somos todos Cunha”, ou “ele é corrupto mas é nosso”, ou tantas outras asneiras do gênero.

Um governo que nasça sob o estigma do processo orquestrado por Cunha terá chances abaixo de zero de se firmar e realizar a tarefa épica de retirar o país da crise moral, econômica e política em que está atolado.

Tal governo inaugurará, se nada for feito, a “República do Cunha”.

Alguém deseja isso?

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!