A demagogia de Bolsonaro: usa caneta Bic e estoura no cartão de crédito pago pela população

Bolsonaro com a caneta Bic: demagogo

Se o combate à corrupção e à ineficiência administrativa já tinha sido desmoralizado como marcas do governo Bolsonaro, outra bandeira dele vai ao chão: o da austeridade.

Os gastos públicos com ele e com família, realizados com cartões corporativos, aumentaram 16% em relação à média dos últimos quatro anos, que incluem o governo de Dilma Rousseff.

Foram 1,1 milhão de reais nos dois primeiros meses do ano.

No que a família Bolsonaro gastou? O Palácio do Planalto não informa.

O aumento das despesas com cartão corporativo contrasta com a farsa do homem simples que chegou à presidência.

Só com a verba desses cartões  ele poderia comprar 1,1 milhão de canetas iguais à que usou para assinar o termo de posse.

Caneta que ficou famosa como marca de que um novo tempo de austeridade viria por aí.

Tudo mentirinha para agradar bolsominion.

Outro teatrinho: O chefe da Casa Civil dele, Onyx Lorenzoni, já tinha prometido abandonar os cartões corporativos.

“No primeiro dia, eu vou abrir mão do cartão corporativo. Porque vem um novo tempo. A gente está ministro. A gente tem consciência de que, para mudar o Brasil, ou o governo federal dá o exemplo ou não há nenhum sentido”, disse.

“A decisão é pessoal. Mas vou estimular todo mundo, no dia 8 de janeiro, a adotar a mesma medida”, acrescentou, em referência à data da primeira reunião ministerial do futuro governo.

Como se vê, não foi atendido.

Na prática, o discurso de Bolsonaro e seus auxiliares é outro.

Quando era deputado, Bolsonaro bateu nos gastos com cartões corporativos.

Numa discussão com Orlando Silva, do PCdoB, que foi ministro dos Esportes no governo de Lula, atacou.

“Ele inclusive assaltava com cartão corporativo até para comprar tapioca”, disse, tentando transformar em algo negativo o que, a rigor, era positivo.

A tapioca do ministro custou R$ 8,30, muito menos do que os R$ 500 reais gastos com cartão corporativo por um funcionário do Ministério da Defesa, já na era Bolsonaro, em uma churrascaria do Rio de Janeiro.

O cartão corporativo foi criado em 2001 pelo presidente Fernando Henrique.

A ideia era agilizar a administração.

Os cartões deveriam ser usados em pequenas despesas urgentes, ligadas a obras e serviços.

Não são um problema em si. Pelo contrário.

No conjunto de gastos do governo federal, representam uma gota no oceano.

Mas têm valor simbólico, facilmente compreendido pelo população, já que muita gente tem cartão de crédito e sabe da dificuldade para pagá-lo.

Por isso, a revelação de que aumentou os gastos com o cartões corporativos representa um risco para Bolsonaro.

É aplaudido por usar caneta “Bic”, mas pode ser vaiado quando vem a público a informação de que ele e a família estão gastando demais no cartão, sem que tenham de se preocupar com a fatura no final do mês.

O povo paga. Mas uma hora derruba a casa, quando descobre que o inquilino é um demagogo, que faz pior o que condenava nos outros.

Como dizia Tim Maia: A demagogia é a pior das mentiras, porque é uma mentira mentirosa.

Bolsonaro é isso: “uma mentira mentirosa”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!