A demissão de Trajano da ESPN é um prenúncio da caça às bruxas nas grandes corporações jornalísticas. Por Paulo Nogueira

TrajanoESPN

A demissão de Trajano da ESPN é um prenúncio da caça às bruxas nas grandes corporações jornalísticas brasileiras.

Muito mais coisa está por vir.

Esquerdistas como Trajano estão sob a mira da plutocracia.

Me veio à cabeça um episódio narrado num documento por Armando Falcão, ministro de Geisel, no começo do fim da ditadura.

O Jornal do Brasil, então o diário mais influente do país, contratara como colunista Carlos Lacerda, então já um inimigo mortal do regime.

Falcão marcou uma conversa com o dono do jornal. Disse a ele que caso Lacerda fosse mesmo efetivado como colunista acabariam as mamatas: dinheiro fácil de publicidade, perdões fiscais, financiamentos em bancos públicos a juros maternais, isenção de impostos na compra do papel.

Temos muitas armas para controlar a imprensa, disse Falcão a Geisel.

Bem, Lacerda sumiu do JB.

Imagine a ESPN pleiteando anúncio no governo Temer. É fácil pensar em algum burocrata que diz: “Sim, mas sem o Trajano”.

Quanto tempo vão durar os raros jornalistas de esquerda que sobreviveram na mídia plutocrática?

Trajano, arrisco dizer, é o primeiro de uma série.

A diferença hoje, em relação aos tempos de Geisel e seu ministro Falcão, é que há um refúgio para os perseguidos: os sites de esquerda.

Seria uma honra enorme para o DCM, por exemplo, ter Trajano em seus quadros.

Quem sabe?

A internet cresce a despeito das corporações plutocráticas. Se elas pudessem, liquidavam não apenas os sites de esquerda mas a internet como um todo, que acabou com seu monopólio de opinião e de escolha do que é ou não notícia.

Mas não podem.

Isso é um grande avanço para a sociedade.

Em breve, Trajano veiculará seus vídeos na internet — onde audência, e isso ele tem de sobra, significa também dinheiro.

Há uma coisa chamada “publicidade programática” que cresce explosivamente no mundo. Nela, os anunciantes vão em busca simplesmente de público. Na Inglaterra, metade da propaganda digital é programática.

É péssimo para as agências tradicionais e para as empresas de midia tradicionais — mas uma beleza para a democracia.

O DCM já se sustenta virtualmente com a publicidade programática.

Para Trajano, com a marca que construiu, vai ser, como ele gosta de dizer, mamão com açúcar.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!