A direita está vencendo a batalha de comunicação na rede. Por Moisés Mendes

WhatsApp chatting

PUBLICADO NO BLOG DE MOISÉS MENDES

POR MOISÉS MENDES

Saiu uma pesquisa que apenas confirma a realidade facilmente percebida. A direita tomou conta do WhatsApp no Brasil na campanha eleitoral e continua agindo no mesmo ritmo. Quase tudo, incluindo as redes sociais, está sob o comando da direita.

É um estudo do departamento de ciência da computação da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos. As conclusões básicas: os grupos da direita são mais numerosos, mais ativos, mais distribuídos pelo país e, claro, mais mentirosos.

A pesquisa foi feita de 1º de setembro a 1º de novembro de 2018. Uma curiosidade: a ‘notícia’ falsa mais compartilhada pela direita não foi a da mamadeira de piroca, mas a de uma urna fraudada.

O fenômeno da internet no Brasil nesse começo de século é o protagonismo do mentiroso racista, homofóbico, machista e xenófobo da extrema direita.

E aí volta a pergunta: porque a pessoas acreditam no que esse sujeito diz em conversas entre parentes, amigos, colegas, vizinhos? Por causa das ignorâncias, estúpido.

O disseminador da informação falsa, muitas vezes o tal influenciador digital do bolsonarismo dedicado integralmente ao ‘jornalismo’ do WhatsApp, não acredita no que transmite. Mas ele faz com que outras pessoas acreditem e passem adiante.

E por que acreditam? Porque em mais de duas décadas de forte influência das esquerdas, o Brasil não construiu uma estrutura elementar de comunicação, da informação direita à produção de conteúdo jornalístico de esquerda em todos os meios disponíveis.

Vou repetir o que escrevo há meses (quem quiser, que pule essa parte): as esquerdas argentina, uruguaia, chilena e venezuelana pensaram e agiram.

Aqui, muita gente achava que estava tudo bem, tudo dominado, e que na eleição a guerra seria vencida pela comunicação fragmentada e dispersa das redes sociais e dos influenciadores de esquerda. Não há influenciadores de esquerda com a quantidade e o poder dos que atuam na direita.

Mas tem gente da esquerda que acredita até hoje que a guerra a ser vencida é a do WhatsApp e do Twitter contra o Carluxo.

Essa esquerda se dedica a uma batalha com um sujeito que chega a publicar uma informação contra o próprio irmão cúmplice de milicianos. É muita categoria. Esse é o adversário de muita gente boa hoje.

É contra o Carluxo que parte da esquerda acha que está guerreando, enquanto abrimos sites de jornais e TVs online que enfrentam a grande imprensa de igual para igual e nos explicam (não só com palpites) o que se passa na Argentina e no Uruguai, onde a direita tenta sobreviver a qualquer custo.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!