A enrolação de Sergio Moro. Por Moisés Mendes

O ministro Sergio Moro – Mauro Pimentel/AFP

PUBLICADO NO BLOG DE MOISÉS MENDES

POR MOISÉS MENDES

Os sites que assessoram Sergio Moro repetem desde o meio da tarde que o ex-juiz pediu ao Grupo Sinos que doasse R$ 10 mil à entidade Pequeno Cotolengo, do Paraná, depois de uma palestra em 2016 no Teatro Feevale.

Essa informação pode transmitir a ideia de que Moro é um altruísta e talvez seja mesmo. Mas isso não interessa, não é essa a questão.

Dizer que doou R$ 10 mil não é o mesmo que dizer que recebeu um cachê de R$ 10 mil.

Moro tem que informar quanto recebeu do Grupo Sinos, e não quanto doou à entidade que se dedica à assistência de pessoas com deficiência.

Moro precisa dizer quanto ganhou (mesmo que nenhuma lei o obrigue) e o que o levou a esconder a palestra remunerada dos seus superiores e dos órgãos de controle da magistratura.

O ex-juiz não pode tentar misturar as coisas e sugerir que todos acreditam nessa história. Moro não pode fazer o que condenava nos réus da Lava-Jato que escondiam seus atos envolvendo dinheiro.

Moro deve ser transparente, não pode continuar enrolando. E o Grupo Sinos, que remunerou uma alta autoridade, alguém com função pública relevante, um caçador de corruptos, também precisa agir com transparência e dizer quanto pagou ao chefe de Dallagnol.

Que diga ao TRF4. E que o TRF4 esclareça essa aparente confusão, mesmo que Moro não seja mais juiz. Mas era juiz quando fazia palestras com cachê secreto.

O Judiciário não pode ter magistrados que escondem a remuneração de palestras a quem pode pagar altas somas por suas pregações. Pode ser legal, mas é moralmente insustentável.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!