A incrível semelhança entre o Serra de 1988 e o Serra de 2012

Serra na Assembléia Constituinte de 1987-1988

Serra está prestes a dar um espetacular salto rumo a seu passado. Transcorridos 24 anos, sua candidatura a prefeito de São Paulo em 2012 é singularmente parecida com aquilo que ocorreu em 1988.

Serra tentou a prefeitura paulistana, então, pelo recém-fundado PSDB. Era um nome forte. Começou a campanha como franco favorito. Recebera um espaço generoso da mídia por seu trabalho na Assembléia que faria a Constituição de 1988. (Detalhe: recebeu nota baixa do Diap, uma organização que avalia a atuação dos parlamentares pela ótica dos trabalhadores: de zero a dez, 3,75.) Os adversários pareciam pequenos diante de Serra. De um lado, Maluf, o velho Maluf, com a imagem tisnada irremediavelmente por sua ligação com a ditadura militar, primeiro, e pela fama de desonesto, depois.

De outro, Luiza Erundina, uma semidesconhecida do PT. Erundina carregava vários preconceitos num só pacote: mulher, nordestina e fora dos padrões estéticos consagrados. Os paulistanos, naqueles dias, estavam acostumados a ter alguém com as características de Erundina na cozinha ou no esfregão.

Havia ainda um terceiro adversário pouco ameaçador para Serra, João Leiva, do PMDB do qual derivara o PSDB de Covas e FHC. Sangrado de seus melhores quadros, o PMDB já era uma caricatura do que fora nos dias da anticandidatura de Ulysses Guimarães — um  desafio ao mesmo tempo romântico e épico à ditadura militar, que em eleições indiretas controladas impunha o general que seria o próximo presidente.

Parecia fácil para Serra.

Até que começasse a campanha eleitoral e a televisão expusesse Serra como ele é: arrogante, antipático, ar de dono do universo. Conexão zero com o paulistano típico, a despeito de suas trombeteadas origens de menino pobre da Moóca. Raras vezes a Moóca, reduto da simpaticíssima colônia italiana de São Paulo, terá produzido uma pessoa tão metida como Serra. Ele pareceria originário do Jardim Europa, de uma casa com mordomo, e não da Moóca.

Deu no que deu.

Serra, à medida que as eleições foram se aproximando, foi perdendo mais e mais votos. Terminou em quarto, com 6% dos votos: até de Leiva ele perdeu. Sobraram poucos, entre os quais, se não estou enganado, eu próprio. Erundina e Maluf tiveram uma disputa eletrizante. As pesquisas, até a véspera, davam vantagem a Maluf. Mas havia no ar de São Paulo um vento a favor de Erundina que acabou dando a ela a prefeitura da cidade.

A candidatura Serra terminou em destroços. Mesmo assim, ele saiu do fracasso em 1988 convencido de que era o melhor nome não apenas para governar São Paulo, mas o Brasil.

Nos anos posteriores, Serra por duas vezes travaria um duelo de vontades com o povo brasileiro na tentativa de ser presidente, em 2002 e 2010. Em ambas as ocasiões a vontade dos brasileiros triunfou sobre a de Serra.

Mas 2014 está aí.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!