“A extrema direita e os jihadistas se parecem em suas frustrações”, diz escritora infiltrada em grupos radicais

Publicado no El Diário

Julia Ebner, membro do London Institute for Dialogue.

Por Javier Biosca Azcoiti

“Passei dois anos como infiltrado, durante os quais adotei cinco identidades diferentes e me juntei a uma dúzia de grupos extremistas que cobrem o espectro ideológico: de jihadistas a fundamentalistas cristãos, passando por nacionalistas brancos, conspiradores e misóginos radicais”, diz Julia Ebner na introdução de seu último livro ‘The Secret Life of Extremists’. Ebner, uma pesquisadora especializada em terrorismo e extremismo e membro do London Institute for Strategic Dialogue, onde monitora grupos radicais, decidiu dar um passo além para tentar entender seu funcionamento, motivações e medos.

O que você encontrou em comum entre os grupos jihadistas e de extrema direita nos quais você se infiltrou?

É engraçado porque as ideologias são completamente diferentes, mas existem várias semelhanças. Existem queixas, frustrações e incertezas muito semelhantes. Também o que o movimento oferece aos recém-chegados, por exemplo, um sentimento de pertença ou uma espécie de antídoto para a solidão, o que era realmente algo muito comum tanto nos grupos de extrema direita quanto nos grupos jihadistas.

Em ambos os lados, há obviamente uma vitimização muito forte do grupo e uma demonização das pessoas de fora do grupo. Na extrema direita, por exemplo, muçulmanos ou migrantes tendem a ser vistos como inimigos. Em grupos jihadistas, seriam os não muçulmanos. Em suma, ambos são narrativas presentes de preto ou branco.

E a outra coisa é que embora ambos gostariam de voltar a um passado muito distante porque suas ideologias são bastante regressivas, os métodos que usam para se comunicar e radicalizar as pessoas são muito modernos. Eles são altamente treinados no uso de tecnologia, incluindo hacking.

Que tipo de relação existe entre a ascensão de políticos de extrema direita e a ascensão de grupos de extrema direita na sociedade civil?

Eu diria que há uma correlação muito forte porque vemos que grupos de extrema direita e grupos armados se sentem cada vez mais legitimados e encorajados por políticos de extrema direita que entram em parlamentos e governos. Muitos desses grupos, tanto na Europa quanto, é claro, nos Estados Unidos sob o comando de Trump, celebraram essa entrada como uma vitória para si próprios e para seus próprios objetivos.

No sentido oposto, também acredito que a extrema direita ajuda a extrema direita populista porque esses grupos têm feito campanha, por exemplo exércitos de trolls atuando em um período pré-eleitoral em favor de partidos populistas, incluindo o Vox na Espanha. Também, muitas vezes, há uma sobreposição em termos de filiação, quando as pessoas são membros do lado militante e do lado político.

Como você descreveria o comportamento de Donald Trump em relação aos grupos de extrema direita? Você sabe: as declarações dele depois do que aconteceu em Charlottesville, a menção dos Proud Boys…

Eu o descreveria como um flerte estratégico com a extrema direita. Acho que ele está realmente flertando com essas subculturas de uma forma muito consciente e estratégica. Você sabe exatamente que tipo de referências fazer, que palavras e que vocabulário usar para que eles percebam como legitimação e um gesto de simpatia. Comunidades de extrema direita comemoraram sua menção aos Proud Boys [durante o primeiro debate eleitoral contra Joe Biden] de “recuar e esperar”.

Ele fez muitos discursos nos quais fez pequenas referências, inclusive à teoria da conspiração QAnon, que agora nega a existência do coronavírus. Isso é algo que muitos políticos populistas de extrema direita na Europa copiaram de Trump e estão fazendo coisas semelhantes, por exemplo, em suas redes sociais para atrair essas subculturas.

Mas existem tantos que podem fazer a diferença em uma eleição?

Acho que é um número muito grande quando você considera todos os simpatizantes dos movimentos de extrema direita. O que foi muito eficaz na última eleição para Trump nos Estados Unidos foi que a alt-right estava fazendo tanto barulho online que dominou o discurso sobre algumas das questões mais importantes na corrida para as eleições. Boa parte dessa estratégia também busca ter seu apoio na esfera online e fazer campanha para ajudá-los a reeleição.

A maioria desses grupos de extrema direita não se consideram neonazistas ou racistas, apesar de sua ideologia. Você fala em seu livro sobre o conceito de ‘subversão progressiva versus confrontação direta’. Você poderia desenvolver essa ideia um pouco? É por isso que você evita esses termos?

Sim, definitivamente faz parte da estratégia geral. Muitos dos movimentos de extrema-direita de hoje são muito cuidadosos quando se trata de sua ótica, sua estética e como são percebidos pelas pessoas. Eles são muito estratégicos sobre o que vestir e o que vestir em um protesto. Nas manifestações de Charlottesville,

por exemplo, eles passaram semanas coordenando a cor das roupas e não carregando armas, mas sim escudos como se estivessem em uma posição defensiva.

O objetivo de tudo isso é entrar na corrente principal de pensamento e recrutar os chamados ‘normies’. Muitos desses grupos de extrema direita pensam com clareza sobre o tipo de estratégia de comunicação de que precisam, e o confronto costuma ser o mais contraproducente quando se trata de entrar na corrente dominante. Eles acham que precisam de um pouco de transgressão e aparições provocativas na mídia que chamem a atenção, mas não ganhem a inimizade do povo. É uma linha muito tênue e muito estratégica.

No passado, eles usaram símbolos neonazistas e ideologia de forma mais explícita e agora eles querem atrair os jovens. Para fazer isso, eles reinventam rótulos antigos e até usam seu próprio vocabulário. A extrema direita, por exemplo, criou seu próprio dicionário para camuflar velhas ideologias por trás de uma linguagem mais fria.

Você diria que essas ideias de extrema direita são cada vez mais aceitas na sociedade? A narrativa cultural está vencendo?

Eu gostaria que não fossem, mas elas certamente ganharam muita força e agora algumas dessas visões e algumas dessas teorias são socialmente aceitáveis ​​mesmo em conversas de jantar e almoço. Mesmo as teorias de conspiração e ideologias mais radicais do nacionalismo branco, como a ideia da grande substituição, entraram nos debates públicos convencionais. Essa foi a ideologia que motivou, por exemplo, o autor do [massacre em] Christchurch, na Nova Zelândia, bem como o ataque em El Paso, nos EUA. Essa ideologia da grande substituição inspirou uma série de ataques terroristas, mas também é cada vez mais aceita na esfera política. Eu até vi alguns candidatos da Vox postando informações sobre o grande substituto nas redes sociais.

Em sua opinião, o que alimentou esse aumento do extremismo nos últimos anos?

Pelo que vi em muitos desses canais onde me infiltrei, realmente parece que há uma grande crise de identidade individual que muitas pessoas estão lutando, mas por sua vez está conectada com a crise de identidade coletiva que passamos no década passada devido a mudanças rápidas.

Acredito que todas as crises que tivemos, desde a crise financeira até a chamada crise dos refugiados, passando pela crise de segurança desencadeada pelos ataques terroristas jihadistas na Europa e agora também pelo coronavírus, realmente desestabilizaram nossos principais pilares de nossa segurança tanto para nível de saúde, bem como nível econômico e muitos outros níveis. Isso criou incertezas para muitas pessoas. Especialmente agora, desde o surto do coronavírus, você pode ver como ainda mais pessoas estão se radicalizando e entrando nessas franjas extremistas. Grupos de extrema direita e redes de teoria da conspiração os acessaram e conseguiram recrutar mais pessoas.

Vamos falar sobre as mulheres que são membros de grupos extremistas onde se infiltraram. O que leva essas mulheres a entrar em comunidades como as esposas de comerciantes [esposas tradicionais] ou grupos jihadistas onde nem mesmo sua dignidade é respeitada?

Já questionaram a sua dignidade antes de entrarem nestas comunidades e quando lá chegam costumam culpar-se, por exemplo, por terem falhado como esposas ou por não encontrarem marido ou companheiro. Em muitos desses casos, as mulheres têm inseguranças muito fortes ao entrar e essa comunidade e essa ideologia as ajuda a enfrentá-la.

Muitas dessas mulheres, se tivessem recebido conselhos diferentes, provavelmente estariam bem, mas aí estão presas à ideia de que você não deve se culpar por falhar como mulher, mas sim culpar a sociedade liberal progressista em que vivemos porque tudo é culpa deles. O que foi fascinante foi ver como elas se radicalizaram passo a passo até quase renunciarem à própria dignidade e até aceitarem a violência doméstica.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!