A faixa passa de Temer aos Bolsonaros e a hipocrisia continua reinando no país. Por Carlos Fernandes

Michel Temer e Jair Bolsonaro (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

O escândalo envolvendo os repasses milionários de assessores da família Bolsonaro no qual presidente eleito, ministros nomeados e parte impoluta da imprensa querem dar ares de banalidade, fora tudo, nos fazem pensar sobre como os fatos no Brasil são tratados a depender dos interesses envolvidos.

Nessa intrigante moralidade seletiva em que parte considerável da população rasteja na curiosa premissa de que no estoico “combate à corrupção” até a própria corrupção é permitida, nos deparamos com as forças que fazem mover os pratos da desequilibrada balança da justiça.

Vejamos o caso da ex-presidente Dilma Rousseff.

Sem uma única mísera acusação de corrupção, cassaram a vontade popular de mais de 54 milhões de votos em função daquilo que vieram a chamar de “crime de responsabilidade”.

Sem uma única evidência de enriquecimento ilícito ou algo que o valha, o calvário que infligiram a uma política honesta esteve, todo o tempo, travestido com o mesmo velho e esgarçado cobertor de santidades que costuma embalar os atos brios de gente como João de Deus e Damares Alves.

Motivados por um sentimento de “Basta!”, milhões tomaram as ruas “cansados de tanta corrupção” por um processo que resultou na ascensão de um sujeito como Michel Temer à presidência.

A lógica mandaria afirmar que ao fim e ao cabo ninguém ignora o que se passou no país a partir daí. Mas como no Brasil toda lógica é sempre turva, cassada Dilma, restabelecida nossa paradoxal normalidade disruptiva.

Numa impressionante disparidade de pesos e medidas, não teve ineditismo criminal do governo Temer que fosse capaz de reavivar a “revolta dos honestos”.

Entre encontros furtivos nos subterrâneos dos palácios do poder e maratonas flagrantes de malas de dinheiro, a vida segue normal para quem pode contar com a meticulosa condescendência dos indignados de ocasião.

Ironia, essa outra forma da tragédia, é o fato de no apagar das luzes de seu “governo”, vir do próprio Temer o reconhecimento da honestidade da mulher que ajudou a martirizar.

Na entrevista que concedeu ao Poder em Foco, eis as suas palavras:

Eu tenho a impressão de que ela é uma senhora correta, honesta. Eu não tenho essa impressão de que ela seja alguém que chegou ao governo para se apropriar das coisas públicas. Nunca tive essa impressão e confesso que continuo não tendo”.

Revelador mesmo, porém, é o fato de não sentir qualquer sentimento de culpa ou remorso por ter contribuído ativamente na condenação inquisitória de uma inocente.

Temer, tanto quanto a família Bolsonaro, representa fielmente a hipocrisia latente que ora impera no país.

É evidente que muitos outros fatores precisam ser pesados, mas o fato de nessas eleições Aécio Neves ter sido eleito e Dilma não, mostra um pouco do senso de justiça e legalidade a que estamos sendo submetidos.

Bolsonaro ter chegado ao poder é o sintoma maior dessa doença que permite a uma parcela significativa do povo brasileiro se orgulhar de manter preso, sem provas, um homem como Lula.

São desses erros históricos que chegamos ao grave momento em que seremos obrigados a presenciar a passagem da faixa presidencial de um denunciado a outro denunciado.

Tudo, claro, graças ao “combate à corrupção”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!