A falta de dignidade de Bolsonaro ao se calar diante da morte de um general por covid

Sydrião pagou o preço por morrer de uma doença negada pelo presidente e pelo governo. Foto: Reprodução

A falta de dignidade de Bolsonaro não encontra limites.

Nesta terça, 8, o Exército brasileiro perdeu o general Carlos Augusto Fecury Sydrião Ferreira.

Ele morreu no período da manhã em decorrência do coronavírus. Estava internado no Hospital das Forças Armadas, em Brasília.

Sydrião comandava o Centro de Inteligência do Exército (CIE). A morte prematura aos 53 anos causou comoção na corporação.

“Os integrantes do Batalhão Brasília prestam sua continência ao General Sydrião e se solidarizam com os amigos e familiares deste oficial”, disse o Exército em nota no seu portal.

Nenhuma menção à causa do óbito.

Na mesma linha, Bolsonaro passou o dia em silêncio sem fazer nenhum comentário sobre a morte do militar, seja em reuniões públicas, entrevistas ou nas suas redes sociais.

Para não despertar a atenção para o problema da pandemia, que ele nega todos os dias, o presidente foi incapaz de mostrar solidariedade com a dor da família.

Não se sabe se foi por orientação do Planalto que o portal do Exército omitiu que o chefe de seu Centro de Inteligência morreu vítima da covid.

O silêncio de Bolsonaro ao longo de todo o dia, porém, é sintomático de que o assunto não merece atenção. Nem que para isso seja necessário negar ao colega as últimas homenagens.

 

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!