A fraude no gráfico da Sabesp sobre a situação do Sistema Cantareira

Seca na represa Jaguari, que faz parte do Sistema Cantareira
Seca na represa Jaguari, que faz parte do Sistema Cantareira

 

O agravamento da situação no Sistema Cantareira, tratado aqui desde fevereiro, só vem a certificar aquilo que já se previa: redução rápida do volume morto e o desespero do governo de São Paulo para assegurar o fornecimento de água para 8 milhões de habitantes.

Que os sistemas do Alto Tietê e Guarapiranga estão combalidos todos sabemos. Apesar do esforço de Alckmin em insistir que não haverá racionamento, vários pontos da região metropolitana já registram as torneiras secas.

Mais grave ainda diante do caos que se avizinha é a maquiagem que a Sabesp passou a divulgar na sua página eletrônica. O site da não informa aos visitantes que a água do Sistema Cantareira pela primeira vez na sua história chegou ao fim.

Ilude o cidadão ao apresentar no gráfico que o volume útil conta com 18% de sua capacidade. Trata a soma do volume útil com volume morto sem apresentar a drástica situação do abastecimento.

Em 15 de janeiro, por exemplo, a Sabesp anunciava corretamente o volume do Sistema Cantareira oferecendo a possibilidade de o usuário comparar com outras datas o armazenamento, pluviometria do mês, do dia e a média histórica.

A versão atual é distorcida, quase um blefe. Entre 15 de janeiro e 15 de julho de 2014, dentro desse ilusionismo, o Cantareira reduziu seu volume em apenas 7%.

 

Captura de Tela 2014-07-15 às 17.52.35

 

De fato temos saldo negativo. Inclui o volume morto no conjunto do sistema. A mágica da SABESP inova com gráfico vertical sem apontar que caminhamos a passos largos para o esgotamento do Cantareira.

Se fosse considerada a aritmética da SABESP e suas inovações no modo fazer conta, a cidade de Atibaia teria desaparecido em 2011. Naquele ano as enchentes que assolaram a região foram creditadas à ausência de compromissos firmados pela Sabesp na outorga do Sistema Cantareira de 2004, o desassoreamento de cursos d’água. Mesmo com liminar concedida na ocasião obrigando a Sabesp a realizar os compromissos da Outorga, o governo recorreu e venceu em instância superior.

A saída tresloucada desta semana, depois de prorrogada a renovação da outorga do Sistema Cantareira pela Agência Nacional das Águas, ANA, foi a transposição do Sistema Alto Tietê. 

O cobertor está curto. A briga é longa e os conflitos já estão em curso, com a cidade de Campinas e região disputando cada metro cúbico de água por segundo. Não serão as mágicas das estatísticas da Sabesp que resolverão o problema.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!