“A gente não reduz desigualdade só conversando com brancos”, diz Huck, o do “baiano não entra”. Por Kiko Nogueira

Aécio e Huck

Luciano Huck engatou uma quinta em sua campanha para presidente em 2022.

Num evento da revista Exame, da editora Abril, onde sempre foi tratado como a grande esperança branca, Huck “brilhou” para os padrões locais.

“A desigualdade é gritante. Se não fizermos nada, o país vai implodir. Quero ser um cidadão cada vez mais ativo para que o país se torne mais eficiente, mais afetivo e menos desigual”, disse.

Foi aplaudido de pé, segundo uma matéria tenebrosamente laudatória dos organizadores.

“Mas a gente não vai reduzir a desigualdade só conversando com brancos na avenida Brigadeiro Faria Lima. Favela virou paisagem e não pode.”

Esse Huck vai ter que conversar com outro, mais espontâneo e sincero, que apareceu numa matéria dos anos 90 na falecida Caros Amigos.

O relato é de Mylton Severiano:

Em 1994, fiz com Miss Lilly, a pedido da agência DPZ, o livro São Paulo de Bar em Bar. Visitamos uma centena – um deles, o bar Ca­bral, nos elegantes Jardins.

O dono, quando Miss Lilly perguntou sobre a clientela, rela­cionou alguns figurões e arrematou:

“Uma coisa eu digo: baiano aqui não entra.”

O autor dessa declaração é o mesmo que foi condenado a pagar 40 mil reais por cercar com boias e redes a faixa costeira ao longo de sua mansão em Angra dos Reis.

Tudo sem autorização ambiental. Para manter a praia limpa de povo, mesmo.

Ali quem podia frequentar eram Joesley, Aécio, Sérgio Cabral, Demi Moore, Ashton Kutcher e o beautiful people.

Só branco.

O baiano ele mostra na TV para ganhar dinheiro e voto.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!