Os corintianos que perderam o metrô por causa de uma novela

Eles viram o gol, mas perderam o metrô
Eles viram o gol, mas perderam o trem

 

Pobre torcedor brasileiro. Pobre corintiano. Num campeonato do jeito que é, ainda mais triste na ressaca do pós-Copa, ter de sair 10 minutos antes do final da partida para poder ir para casa é dureza.

Na quarta passada, muitos não viram o terceiro gol do Corinthians, de Renato Augusto, na vitória de 3 a 0 sobre o Bahia.

A partida começou às 22h por causa da novela. O último metrô sai um pouco depois da meia-noite. Quem foi embora antes soube pelo rádio do pênalti, ou ouviu ao longe os gritos no estádio (o que é mais desesperador). Quem esperou teve de se virar. Os que estavam de carro foram para a cama à 1 da manhã.

O horário estapafúrdio das partidas é definido pela CBF e pela Globo, a detentora dos direitos do torneio.

Um torcedor criou um abaixo assinado online reclamando trens por mais tempo. O presidente do Corinthians, Mario Gobbi, terá uma audiência com Alckmin para insistir nesse ponto.

Ora, Alckmin não deve mudar nada — e estará correto. Não faz sentido o transporte público de uma cidade fazer uma mudança como essa em função de um clube.

A voz sensata partiu da vice-prefeita Nádia Campeão. Em entrevista à ESPN, ela disse que “é mais razoável antecipar o horário das partidas do que mudar o funcionamento de toda a rede de transporte de massa”. Para Nádia, “o interesse público deve continuar preservado”.

O Brasil é o único caso, no mundo civilizado ou relativamente civilizado, em que a grade de uma TV determina desta maneira a agenda do futebol e de uma metrópole.

Já causa estrago suficiente os clubes serem reféns desses contratos milionários. Se o dinheiro servisse para melhorar o nível do espetáculo, vá lá. Não é o que acontece. Coisa completamente diferente é uma emissora forçar uma alteração no transporte público de São Paulo.

Há dois anos, Bruce Springsteen se apresentou no Hyde Park, de Londres. No final do show, subiu ao palco Paul McCartney. Por volta das 23h40, depois de “Twist and Shout”, os microfones foram simplesmente desligados. O espetáculo havia ultrapassado o limite da lei do silêncio da região. O guitarrista Steven Van Zandt denunciou o “estado policial” e blablablá. Um abraço. Continua tudo como antes.

Se o metrô sair mais tarde, não estará atendendo aos corintianos, mas à Globo. Não é à toa que a novela se chama “Império”.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!