A guerra não é mais só contra Merval e a Globo. Por Moisés Mendes

Merval Pereira. Foto: Reprodução/GloboNews

Publicado originalmente no Blog do autor:

Por Moisés Mendes

Tem muita gente preocupada com Merval Pereira, Miriam Leitão, Alexandre Garcia. O jogo pesado que vem aí contra Lula não é para a turma do Merval, que ultimamente deve estar sendo lida mais pela esquerda do que pela direita.

Merval, Miriam, Gabeira, Catanhêde, Camarotti, todos esses da GloboNews formam o grupo de carpideiras dos tucanos. Choram, mas não têm o poder de ressuscitar o morto.

O poder deles é próximo do zero. Estão mais pertos do folclore da velha direita cheirosa de FH, Aécio e Alckmin do que da vida real da política e da direita de resultados de hoje.

Lula e o PT devem se preparar para as reações do submundo do bolsonarismo, se é que o próprio bolsonarismo já não é um submundo. Essa não é mais uma guerra contra os engravatados da Globo.

O último trabalho deles foi tentar difundir a tese furada de que o retorno de Lula iria agradar Bolsonaro e os militares. Que interessaria a Bolsonaro enfrentar Lula e não um candidato de centro.

Não existe candidato de centro. A direita que se considera centro não tem candidato e não consegue inventá-lo.

O que vai acontecer é que Lula atrairá forças políticas que podem até ser conservadoras, mas não são fascistas. E esse é o medo de Bolsonaro. O movimento do centro democrático em direção a Lula.

Esqueçam Merval, um comentarista de lamentos. Ninguém mais na Globo tem o poder de mobilizar nem mesmo a classe média. Se tivesse, teriam derrubado Temer, o jaburu, como tentaram.

Se a Globo tivesse a capacidade de impor suas posições hoje, já teria derrubado Bolsonaro. A Globo, o Globo, a Folha e o Estadão só interferem nos votos dos eleitores do Big Brother.

A guerra que vem aí deve ser algo com feições que nunca vimos antes. Porque desta vez a extrema direita está no poder.

Não há mais enfrentamento apenas com a direita desamparada que em 2018 saltou no colo de Bolsonaro. É também com a extrema direita e todo o suporte que segura a base de Bolsonaro.

Esqueçam a direita do centrão, a direita tucana e até a direita do Judiciário, que sai despedaçada da decisão do Supremo sobre Sergio Moro.

A guerra é subterrânea, como o próprio Bolsonaro já anunciou. Na quinta-feira, na live dos fins de tarde, o sujeito disse: “Só Deus me tira da cadeira presidencial. E me tira, obviamente, tirando a minha vida. Fora isso, o que nós estamos vendo acontecer no Brasil não vai se concretizar, mas não vai mesmo. Não vai mesmo, tá ok?”.

Bolsonaro vai acionar suas defesas. Lula é a ameaça real, e não João Doria, Moro, Huck, Amoedo ou Mandetta. Esses estão apenas nas cabeças de Merval, Miriam Leitão, Catanhêde, Vera Magalhães, Diogo Mainardi.

Veremos o que nunca se viu antes. Não é mais uma guerra contra a bazuca analógica e enferrujada da Globo. Serão muitas batalhas contra gangues, facções, giletes e canivetes.

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!