A histeria de Bolsonaro vem do medo da resposta à pergunta: quem mandou matar Marielle? Por Kiko Nogueira

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, suspeitos da morte de Marielle

A pergunta que não quer calar, agora, é quem mandou matar Marielle Franco e Anderson Gomes.

Policiais da Divisão de Homicídios e promotores do Ministério Público do Rio de Janeiro prenderam os PMs Ronnie Lessa, de 48 anos, e Élcio Vieira de Queiroz, de 46.

A força-tarefa afirma que eles participaram do assassinato.

Ronnie Lessa, segundo a denúncia, é o autor dos treze disparos.

Ele estava no banco de trás do Cobalt que perseguiu o carro da vereadora.

Lessa também teria feito pesquisas na internet sobre o então interventor na segurança pública do Rio, general Braga Netto, e sobre a submetralhadora MP5, que pode ter sido usada no crime.

Foi preso em casa.

Mora — veja que coincidência — no mesmo condomínio onde o presidente Jair Bolsonaro tem uma casa, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

Imóveis não são vendidos ali por menos de 2 milhões de reais. Lessa é um exemplo de meritocrata, como os Bolsonaros.

Élcio Queiroz, que não é parente do Fabrício, postou em suas redes uma selfie com Jair.

A reportagem do Globo é de Chico Otávio e Vera Araújo. Chico é pai de Constança Rezende.

Ambos foram atacados por Bolsonaro no Twitter há dois dias a partir de uma fake news fabricada por um blog vendido.

A ligação dos Bolsonaros com milicianos é sobejamente conhecida.

Antes do pai virar presidente — como foram nos meter nisso, Jesus? –, a família fazia questão de exibir essa relação na imprensa, nas casas legislativas, em privado.

Os Bolsonaros vivem em guerra permanente com os fatos porque eles lhes são comprometedores.

Temos aí elementos suficientes para um powerpoint de Dallagnol — que, obviamente, jamais verá a luz do sol porque isso só vale para Lula.

Bolsonaro vai caindo e por obra dele mesmo e dos seus.

E eu não vou nem falar na teoria do domínio do fato. Ou seria condomínio do fato?

Élcio Queiroz com Bolsonaro. Foto: Reprodução/Instagram

O jornalismo do DCM precisa de você para continuar marcando ponto na vida nacional. Faça doação para o site. Sua colaboração é fundamental para seguirmos combatendo o bom combate com a independência que você conhece. A partir de R$ 10, você pode fazer a diferença. Muito Obrigado!